Compartilhe este texto

Musk vira isca para encontro de Bolsonaro com empresários em SP

Por Folha de São Paulo / Portal do Holanda

20/05/2022 20h06 — em
Economia



BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Empresários que participaram do evento promovido pelo ministro das Comunicações, Fábio Faria (PSD-RN), no hotel Fasano em Porto Feliz (SP) nesta sexta-feira (20), não contavam com a presença do presidente Jair Bolsonaro no encontro.

Quando foram avisados de que Bolsonaro estaria presente, na noite desta quinta (19), esperavam apenas a presença do bilionário Elon Musk, dono da Tesla e SpaceX. A reportagem ouviu parte dos empresários convidados e autoridades, que falaram sob a condição de anonimato.

Muitos empresários discutiram com seus assessores a possibilidade de cancelarem a ida ao evento sob o temor de que poderiam ser usados politicamente na promoção do presidente Bolsonaro, que disputa a reeleição. Mas, no fim das contas, acabaram comparecendo.

A preocupação existia entre empresas de telecomunicações —diretamente envolvidas no processo do 5G e na construção de redes na Amazônia—, um banco e outra empresa que atua em investimentos e logística.

Para eles, o risco seria de aparecerem aprovando o governo e a reeleição do presidente em um momento em que a disputa nem começou, com pesquisas de intenção de voto mostrando a liderança do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Já no convite do ministério enviado para órgãos do governo e para a agência reguladora do setor de telecomunicações, a Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações), constava somente a presença de Bolsonaro, sem menção a Musk.

A informação era que haveria discurso do presidente sobre as políticas de conectividade na Amazônia e nas escolas —contrapartida de investimento imposto pelo governo às operadoras de telefonia que venceram o leilão do 5G no final do ano passado.

Procurado para explicar as diferenças, o ministro das Comunicações não havia respondido até a publicação desta reportagem.

A reportagem confirmou que foram convidados o banqueiro André Esteves (BTG Pactual), Alberto Leite (FS) , Ricardo Faria (Granja Faria), Zeco Auriemo (JHSF), Flávio Rocha (Riachuelo), Carlos Sanchez (EMS), Rubens Ometto (Cosan), Rubens Menin (MRV e Inter), Carlos Fonseca (Galápagos), Rodrigo Abreu (Oi), José Félix (Claro), Pietro Labriola e Alberto Griselli (Tim), além de Jorge Moll Filho (Rede D´Or).

As operadoras e demais empresários estavam interessados na presença de Elon Musk, bilionário que fez uma oferta pelo Twitter e entrou com pedido na Anatel por autorizações para que sua rede de satélites (Starlink, da SpaceX) se espalhe pelo Brasil, o que permitiria levar internet por essa plataforma à Amazônia, abrindo novas frentes de negócios na região.

Esse negócio se choca frontalmente com o das operadoras, que têm seus próprios satélites posicionados a mais de 35 mil km da superfície acompanhando o movimento da Terra para que sempre estejam sobre o Brasil. A constelação de equipamentos de Musk gira ao redor do planeta a uma distância de cerca de 570 km da superfície.

Os sinais da rede de Musk chegam mais rápido às estações receptoras em solo do que o das demais operadoras devido à diferença de altitude —algo que dá vantagem competitiva às empresas do bilionário, especialmente em áreas onde hoje as operadoras não têm presença comercial tão forte.

Justamente por isso, empresas do agronegócio e de logística também estão interessadas em firmar parcerias com a empresa de Musk. Com o sinal por satélite percorrendo todo o território nacional, poderão ter levar adiante planos de monitoramento de plantio e colheita, além de controle sobre o transporte dos produtos até o destinatário.

Hoje, as operadoras tradicionais planejam oferecer esse serviço por meio da rede 5G, que começa ser construída. O serviço deve ter início no final de julho em algumas capitais porque pode haver atrasos devido à entrega de equipamentos de rede por fabricantes da China, que enfrenta um novo lockdown.

A aproximação do governo com o bilionário também constrange a Anatel, que avalia a permissão para que outros gigantes concorrentes de Musk, como a Amazon, também atuem em território nacional.



O Portal do Holanda foi fundado em 14 de novembro de 2005. Primeiramente com uma coluna, que levou o nome de seu fundador, o jornalista Raimundo de Holanda. Depois passou para Blog do Holanda e por último Portal do Holanda. Foi um dos primeiros sítios de internet no Estado do Amazonas. É auditado pelo IVC e ComScore.

ASSUNTOS: Economia

+ Economia