Compartilhe este texto

Há pelo menos 50 anos tem intervenção na Petrobras, diz Roberto Castello Branco

Por Folha de São Paulo

16/05/2024 18h32 — em
Economia



SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Em oito anos, já são oito trocas de presidentes da Petrobras, e o mais longevo nesse período foi o economista Roberto Castello Branco.

A demissão dele da estatal durante o governo Jair Bolsonaro (PL), em 2021, em meio a um temor de interferência política nos preços dos combustíveis levou a uma queda de 21% da ação da petroleira em uma única sessão.

Em entrevista à Folha de S.Paulo, Castello Branco observa que as demissões na Petrobras nunca ocorreram por desempenho do gestor, mas unicamente por razões políticas, porque o presidente da estatal desobedecer o governo ou não agradou politicamente. "Foi isso que aconteceu comigo. O presidente queria subsidiar preços. Eu não queria, pronto. Não me rendi até o último dia."

Castello Branco diz que as trocas constantes de presidentes da companhia são negativas porque com a substituição dos CEOs ocorrem mudanças de todo corpo executivo junto, o que leva também a alterações nas prioridades da empresa.

"É uma pena, porque a Petrobras tem técnicos muito bons. Tem alguns dos engenheiros de petróleo e biólogos melhores do mundo. Tem excelência em tecnologia, você vê os prêmios internacionais que a empresa ganha. Mas tudo é desfeito pelas gestões", afirma.

Ele analisa que a Lei das Estatais, criada em 2016 em meio aos escândalos de corrupção envolvendo a Petrobras, não foi suficiente para mudar esse quadro de intervenção política, já que se criaram vários caminhos que enfraquecem a legislação, como a manutenção da maioria das cadeiras nos conselhos de administração indicadas pelo governo.

Para ele, esses conselheiros acabam atuando mais como delegados do governo do que se guiando por aspectos técnicos.

Castello Branco defende a privatização da petroleira como remédio para colocar fim às intervenções políticas na companhia, que ocorrem pelo menos desde a ditadura militar, segundo ele.

"É algo que não é só neste governo, é algo que vem de muito tempo", diz. "Quando era presidente da Petrobras, [Ernesto] Geisel reclamava do então ministro da Fazenda [Antônio] Delfim Netto por ter subsidiado preços de combustíveis. Então, há 50 anos já existia esse tipo de coisa", afirma.

Para o economista, o mercado respondeu em peso à sua demissão em 2021 porque ele implementou um programa na estatal semelhante ao de uma empresa privada, com redução de custos, privatização de subsidiárias, transformação digital, ausência de nomes ligados à política no conselho de administração e estabelecimento de meritocracia dentro da companhia.

Castello Branco diz acreditar que o ideal para a Petrobras é que ela seja uma empresa privada que se guie pelos parâmetros de mercado, com baixo custo, foco nos negócios nos quais tem vantagens competitivas, geração de lucro, pagamento de dividendos e de impostos ao governo.

"O ideal é que a empresa saísse das páginas de política na mídia para ficar só nas páginas de economia e finanças, e ponto. Isso é ser uma empresa normal", afirma.

O economista diz acreditar que os governos têm grande fixação na Petrobras por questões históricas e culturais de que o petróleo e a empresa são dos brasileiros e de que esses são os motores de desenvolvimento do país. Mas ele afirma que a realidade atual é diferente, já que mais da metade das ações da estatal hoje está nas mãos de acionistas, inclusive estrangeiros.

Questionado sobre o nome de Magda Chambriard, indicada pelo governo para substituir Jean Paul Prates na presidência da estatal, Castello Branco diz que prefere não fazer críticas e dar oportunidade a ela mostrar o seu trabalho, mas avalia ser um ponto negativo seu "alinhamento total" com o governo Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Ele acrescentou ainda que as experiências técnicas de Chambriard na Petrobras e na ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás e Biocombustíveis) não são suficientes para assumir a função de gestora.

"Eu tenho visto ao longo da minha carreira, não só no setor de petróleo como em outros setores da atividade econômica, como mineração, que muitas vezes um técnico excelente dá um péssimo executivo", diz.

O economista também vê como negativo o fato de ela nunca ter trabalhado na iniciativa privada. "Trabalhar em uma empresa privada é muito diferente de ser funcionário de uma estatal ou de uma agência de regulação do governo. São situações muito distintas", afirma.


Siga-nos no
O Portal do Holanda foi fundado em 14 de novembro de 2005. Primeiramente com uma coluna, que levou o nome de seu fundador, o jornalista Raimundo de Holanda. Depois passou para Blog do Holanda e por último Portal do Holanda. Foi um dos primeiros sítios de internet no Estado do Amazonas. É auditado pelo IVC e ComScore.

ASSUNTOS: Economia

+ Economia