Compartilhe este texto

Governo articula veto de Bolsonaro à gratuidade de bagagens em voos

Por Folha de São Paulo / Portal do Holanda

18/05/2022 21h07 — em
Economia



SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O Ministério da Infraestrutura já articula com a Casa Civil o veto do presidente Jair Bolsonaro (PL) ao retorno da gratuidade de bagagem em viagens de avião.

O Senado manteve nesta terça-feira (17) a proibição da cobrança para despachar bagagens em voos nacionais e internacionais, com 57 votos favoráveis e 16 contrários.

Como houve alteração, a proposta precisa ser analisada novamente pela Câmara, mas técnicos envolvidos neste assunto têm poucas esperanças de reverter o cenário.

No corpo a corpo que Infraestrutura e a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) fizeram com os parlamentares, ouviram que havia compreensão dos argumentos, mas que com as passagens caras e em ano eleitoral, seria muito difícil votar pela manutenção da cobrança.

O que os técnicos afirmam é que o preço alto está relacionado ao câmbio e à alta concentração de mercado, com três empresas dominantes. O que poderia baixar seria a entrada de empresas "low cost" (baixo custo) no Brasil, mas muitas delas condicionam a vinda à possibilidade de cobrança das bagagens.

Nos últimos dias do ano passado, o governo federal editou a medida provisória do Voo Simples. Durante sua tramitação pela Câmara, os deputados federais incluíram dispositivo que proíbe a cobrança para despachar bagagens de até 23 quilos em voos nacionais e de uma mala de até 30 quilos em voos internacionais.

Em 2019, o Congresso já havia derrubado a cobrança pelo despacho de uma bagagem até 23 quilos em aeronaves até 31 assentos. O (PL), no entanto, barrou o dispositivo e os parlamentares mantiveram o veto.



O Portal do Holanda foi fundado em 14 de novembro de 2005. Primeiramente com uma coluna, que levou o nome de seu fundador, o jornalista Raimundo de Holanda. Depois passou para Blog do Holanda e por último Portal do Holanda. Foi um dos primeiros sítios de internet no Estado do Amazonas. É auditado pelo IVC e ComScore.

ASSUNTOS: Economia

+ Economia