Compartilhe este texto

Entenda as medidas estudadas pelo governo para reequilibrar contas públicas

Por Folha de São Paulo

17/06/2024 19h00 — em
Economia



BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) intensificou o debate no governo sobre o cenário das contas públicas e as possíveis medidas para reequilibrar os números. De acordo com ministros da área econômica, ele ficou preocupado principalmente com o volume de subsídios concedidos em impostos.

O debate sobre iniciativas para reequilibrar o Orçamento ganhou força principalmente porque o governo terá que apresentar, em pouco mais de dois meses, a proposta orçamentária para 2025. Os números precisam atender à meta de déficit zero prevista para o ano que vem, o que ainda é visto com ceticismo pelo mercado.

Enquanto isso, outras propostas são estudadas para um horizonte mais longo. Entre elas, a revisão dos pisos de saúde e educação (que hoje crescem de forma mais acelerada que as demais despesas) e de determinados benefícios previdenciários.

MEDIDAS NO RADAR DO GOVERNO

CURTO PRAZO

**Bloqueio no Orçamento de 2024**

Relatório de avaliação de receitas e despesas de julho vai exigir um bloqueio de despesas devido à expansão de gastos obrigatórios e pode também demandar um contingenciamento diante da frustração de receitas para cumprir a meta fiscal

**Orçamento de 2025**

Até 31 de agosto, o governo precisa apontar medidas para elevar a arrecadação e fechar a proposta de Orçamento de 2025 dentro da meta de déficit zero. A previsão inicial é de que seria necessário obter R$ 50 bilhões a mais

**Revisão de gastos**

Acelerar a revisão de gastos de programas como BPC, Previdência e seguro-defeso, com apoio do Congresso, e dar fôlego extra à revisão das famílias unipessoais do Bolsa Família

**Créditos de PIS/Cofins**

Trazer a discussão de volta sob novas bases, regulando o aproveitamento de créditos em vez de simplesmente proibir o uso em determinados casos

MÉDIO PRAZO

**Desvinculação de benefícios temporários**

Desvinculação entre benefícios como auxílio-doença, abono salarial e seguro-desemprego e o salário mínimo, que voltou a ser reajustado acima da inflação, conforme o crescimento da economia

**Revisão dos pisos de saúde e educação**

Fazenda cogita limitar crescimento dos mínimos dessas áreas à inflação mais 2,5%. Outra opção seria mudar o cálculo da RCL (receita corrente líquida), base para o piso da saúde, mas a medida também é referência para as emendas parlamentares

**Previdência dos militares**

O sistema de proteção social dos militares tem o maior déficit por beneficiário entre os três regimes mantidos pela União, com um valor de R$ 159 mil per capita. No INSS, esse déficit é de R$ 9,4 mil por beneficiário, e no regime próprio de servidores civis, de R$ 69 mil. A discussão das regras dos militares está na mesa após o presidente do TCU (Tribunal de Contas da União), Bruno Dantas, colocar o tema na agenda do dia, mas a proposta não traz efeitos no curto prazo

LONGO PRAZO

**Nova reforma da Previdência**

Revisão da aposentadoria rural, equiparação da idade mínima de aposentadoria entre homens e mulheres e outros ajustes nas regras que não foram feitos na emenda constitucional aprovada em 2019


Siga-nos no
O Portal do Holanda foi fundado em 14 de novembro de 2005. Primeiramente com uma coluna, que levou o nome de seu fundador, o jornalista Raimundo de Holanda. Depois passou para Blog do Holanda e por último Portal do Holanda. Foi um dos primeiros sítios de internet no Estado do Amazonas. É auditado pelo IVC e ComScore.

ASSUNTOS: Economia

+ Economia