Compartilhe este texto

Dólar atinge maior valor em mais de um ano com dados dos EUA e mudança na meta fiscal

Por Folha de São Paulo

15/04/2024 18h00 — em
Economia



SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O dólar registrou alta de 1,19% e encerrou o dia cotado a R$ 5,182 nesta segunda-feira (15), seu maior valor desde março de 2023.

Preocupações sobre o aquecimento da economia americana permanecem como principal catalisador, mas a divisa acelerou ganhos e chegou a bater os R$ 5,214 na máxima da sessão após o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, ter confirmado que o governo vai definir uma meta de resultado primário zero em 2025.

A aceleração, no entanto, também coincidiu com forte piora no humor externo, com os principais índices de Wall Street virando para o negativo.

A moeda chegou até a registrar leve queda no início do dia, num movimento visto como realização de lucros após o salto da semana passada, mas reverteu as perdas depois que dados mostraram alta bem mais intensa do que o esperado nas vendas no varejo dos Estados Unidos em março, em mais uma evidência de que a economia encerrou o primeiro trimestre em terreno sólido.

As vendas no varejo norte-americano aumentaram 0,7% no mês passado. Economistas consultados pela Reuters previam avanço de 0,3%.

Os novos números esfriaram ainda mais as apostas sobre cortes de juros nos EUA e causaram uma disparada dos rendimentos dos títulos do Tesouro americanos, refletida no salto do dólar. No fim da tarde, os papéis americanos com vencimento de dez anos iam de 4,52% para 4,60%.

"Quando você tem uma taxa de juros elevada em um país considerado extremamente seguro, a tendência é que cada vez mais capital vá para lá. Como uma economia aquecida, uma taxa de juros ainda muito alta, o fluxo de capital continua, fazendo com que haja uma apreciação da moeda, não só perante o real, mas perante os outros pares também", afirma Gabriel Meira, assessor de investimentos da Valor.

No Oriente Médio, centenas de drones e mísseis lançados de forma inédita pelo Irã de seu próprio território em direção a Israel aumentaram a disputa na região entre Tel Aviv e o autodenominado "Eixo da Resistência" -grupo de atores liderados por Teerã que se opõem ao Estado judeu, entre eles o Hamas na Faixa de Gaza.

Em momentos de conflito, investidores tendem a apostar em ativos de maior segurança, como é o caso do dólar, o que também beneficia a moeda americana.

A expectativa era que o conflito também causasse choques nos preços do petróleo, o que não ocorreu. O petróleo Brent, referência internacional, caía 0,80%, para US$ 89,73 por barril, no fim da tarde. O West Texas Intermediate, referência dos EUA, recuava 0,30%, para US$ 85,40 por barril. Os mercados de ações também tiveram reações contidas.

No cenário interno, a Folha de S.Paulo antecipou pela manhã que o governo de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) vai propor uma meta fiscal zero para 2025. O objetivo sinaliza uma flexibilização na trajetória fiscal do país, dado que o compromisso antes era entregar um superávit de 0,5% do PIB (Produto Interno Bruto) no ano que vem.

Na prática, o Executivo indica ainda a possibilidade de novo déficit no ano que vem, já que a meta conta com uma margem de tolerância de 0,25% do PIB para mais ou menos.

No início da tarde, o ministro da Fazenda confirmou o número em entrevista à GloboNews.

Na Bolsa brasileira, o Ibovespa começou o dia oscilando, mas engatou leve queda no início da tarde e acelerou as perdas após a entrevista de Haddad, pressionada pela alta dos juro futuros locais.

"A gente está observando um movimento estressado na curva de juros, principalmente os vértices mais longos, acompanhando um cenário global após os resultados de inflação [dos EUA], que realmente vieram acima das expectativas, mais uma escalada ali no conflito do Oriente Médio, que pode também gerar uma pressão inflacionária e atrasar ainda mais os cortes de juros", afirma Yan Vasconcellos, sócio da One Investimentos.

Com isso, o principal índice da Bolsa teve queda de 0,48% e terminou o dia aos 125.333 pontos, em seu menor patamar do ano.


Siga-nos no
O Portal do Holanda foi fundado em 14 de novembro de 2005. Primeiramente com uma coluna, que levou o nome de seu fundador, o jornalista Raimundo de Holanda. Depois passou para Blog do Holanda e por último Portal do Holanda. Foi um dos primeiros sítios de internet no Estado do Amazonas. É auditado pelo IVC e ComScore.

ASSUNTOS: Economia

+ Economia


29/05/2024

Correção