Siga o Portal do Holanda

Economia

Black Friday supera projeção e valoriza varejistas na Bolsa

Publicado

em

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Data já consolidada no varejo brasileiro, a Black Friday superou as projeções de vendas no ecommerce neste ano e deu fôlego às principais varejistas, que registram forte alta na Bolsa de Valores nesta segunda-feira (2).

As Lojas Americanas subiram 2% e atingiram o maior valor por ação na história. As ações da Via Varejo, dona das Casas Bahia, e uma das maiores redes de lojas físicas, subiram 4%. A empresa, que vendeu R$ 1,1 bilhão e cresceu 83% no ecommerce, registrou seu maior valor de mercado, de R$ 11,9 bilhões.

Os papéis da B2W, dona das Americanas online, do Submarino e do Shoptime, tiveram alta de 4,37%.

Já a Magazine Luiza, que investiu três vezes mais em marketing neste ano, adotou uma estratégia digital arrojada e comprou espaço na TV com apresentação de Luciano Huck, apresentou queda de 0,24%. Apesar disso, a marca informa "crescimento muito acima do mercado" nas vendas e 14 milhões de usuários ativos em seu aplicativo.

Na Black Friday deste ano, o ecommerce faturou R$ 3,2 bilhões, 23,6% acima da edição de 2018, segundo a Ebit Nielsen. O ticket médio caiu, foi de R$ 608, no ano passado, para R$ 602 neste ano. 

Outras empresas e associações que monitoram dados de transações online confirmaram aumento das vendas acima da expectativa. A ABComm (associação brasileira de ecommerce) reportou alta de 20%, dois pontos percentuais acima do previsto; o faturamento foi de R$ 3,5 bilhões.

Esses números não incluem a Cyber Monday, dia dedicado apenas a oferta de eletrônicos nesta segunda.

A saída de produtos das lojas físicas ainda não foi contabilizada no geral, mas redes apontam para uma sexta satisfatória em volume de vendas. 

O Grupo Pão de Açúcar, dono do supermercado de mesmo nome e do Extra, afirmou que esta Black Friday comercializou cinco vezes mais do que uma sexta-feira comum.

Associações supermercadistas também não apresentaram números totais, mas a expectativa era de alta de 4,2% nos sites de varejo alimentar. Na sexta, alguns pontos de venda queimaram estoque de produtos como papel higiênico e bebida alcoólica.

Itens de consumo simples foram destaque nas Americanas, com a saída de sete milhões de pacotes de balas Fini; no Extra, que registrou elevação de 30% em categorias como perfumaria e mercearia (arroz, feijão e açúcar, por exemplo); e na Magazine Luiza, que dobrou a venda de papel higiênico.

A data comercial foi beneficiada por fatores como proximidade do Natal (seis dias na comparação com a Black de 2018), calendário de saques do FGTS, a primeira parcela do 13º e queda de juros.

É cedo dizer que o aquecimento das vendas é sinônimo de melhora na economia. "Nas últimas Black Fridays, vimos um ganho fora do comum em novembro, mas se tratavam de antecipações às compras de dezembro. Pode mesmo ter sido um mês forte, mas só saberemos no próximo", afirma Juliana Inhasz, professora do Insper.

Apesar dos números, algumas pesquisas mostram que tanto o consumidor quanto o comerciante estão menos eufóricos com a data. Há maior planejamento e comparação de preços antes da compra. Do lado do lojista, os descontos ganharam transparência, com menos "Black Fraude".

MP-Am humilha em aeroporto mãe de indiciado

Para compartilhar este conteúdo, utilize o link ou as ferramentas oferecidas na página. Textos, fotos, artes e vídeos do Portal do Holanda estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral.

Copyright © 2006-2019 Portal do Holanda.