Compartilhe este texto

Após derrotas em série, Guedes ganha poder em meio a ofensiva eleitoral de Bolsonaro

Por Folha de São Paulo / Portal do Holanda

29/05/2022 7h05 — em
Economia



BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O ministro Paulo Guedes (Economia) chega à reta final do mandato de Jair Bolsonaro (PL) com mais poder. Após uma sucessão de derrotas e vitórias na tentativa de executar uma agenda liberal, ele tem ampliado sua influência no governo se equilibrando entre o que prega sua cartilha e o esforço para atender às vontades do chefe.

A escolha de dois membros de sua equipe para o comando de um tema estratégico em 2022 como o dos combustíveis resume o cenário. Adolfo Sachsida foi para o Ministério de Minas e Energia e Caio Mario Paes de Andrade foi indicado para o comando da Petrobras.

Nomes de confiança da equipe do ministro, ambos compunham o time de primeira linha de Guedes —Paes de Andrade é o atual secretário especial de Desburocratização da pasta, enquanto Sachsida desempenhou os cargos de secretário de Política Econômica e de assessor especial.

A posição de Guedes hoje –comandando um ministério e com influência direta em outro– é vista por integrantes do governo ouvidos pela reportagem como uma demonstração de confiança do presidente. Em meio a uma disputa eleitoral histórica, o país passa por um momento desafiador para controlar a inflação, gerar emprego e garantir crescimento.

A volta de Guedes à condição de "superministro" contrasta com episódios anteriores. O ministro beijou a lona várias vezes desde que assumiu o posto com a promessa de fazer uma revolução na política econômica.

O economista da Escola de Chicago obteve diferentes conquistas, mas as perdas soaram mais estridentes em diversos momentos, com sua saída sendo aventada em várias ocasiões –inclusive por ele próprio.

Entre essas derrotas, está o enterro de um imposto nos moldes da antiga CPMF (ideia defendida até hoje pelo ministro), o "cartão vermelho" com que Bolsonaro o ameaçou indiretamente caso surgissem ideias como a do congelamento de aposentadorias, uma debandada em sua equipe diante das contradições do governo com o discurso liberal e a perda de influência sobre a Petrobras em 2021.

O acúmulo desses episódios fez o ministro deixar parte de suas convicções de lado para continuar ao lado do presidente.

Em outubro do ano passado, ele chegou a aceitar mudanças nas regras fiscais para encaixar no Orçamento um pagamento mensal de R$ 400 do Auxílio Brasil –uma exigência de Bolsonaro diante da proximidade das eleições.

Para executar o plano, o chefe da Economia colocou em prática uma megaoperação que demandou uma emenda à Constituição para driblar o teto de gastos –regra defendida por sua parte até então. A medida gerou revolta em sua equipe, que sofreu uma debandada.

"[É] perfeitamente compreensível. Espero que os mercados compreendam isso ao invés de ter uma posição um pouco mais infantil de que ‘o símbolo é o teto’, ‘o teto ou a morte’, disse o ministro em novembro para justificar a iniciativa.

Neste ano, novos flertes com medidas inusuais diante da proximidade eleitoral. Embora defenda a liberdade de preço da Petrobras, o Ministério da Economia reservadamente entende que o momento atual é de exceção e que medidas podem ser adotadas para conter a volatilidade nas bombas.

A visão é compartilhada por diferentes integrantes da equipe econômica e catapultou dois assessores de Guedes ao comando das decisões sobre combustíveis. Sachsida, por exemplo, foi escolhido por Bolsonaro após apresentar sugestões de mudanças sobre os preços diretamente ao presidente –com aval do ministro.

Há várias medidas em estudo, conforme mostrou o jornal Folha de S.Paulo, como uma proposta para estabelecer faixas para o preço internacional do petróleo –sendo que, caso o preço do barril varie dentro dos valores delimitados, a empresa não poderia fazer reajustes. Outra sugestão é criar um intervalo mínimo de 100 dias para os reajustes.

Seja qual for a opção escolhida, o governo dá indicações frequentes nos bastidores de que quer evitar os reajustes da Petrobras em um momento delicado da corrida eleitoral –em que Bolsonaro sofre desgaste pela inflação enquanto o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) amplia a liderança nas pesquisas.

Na visão de integrantes do governo seria, inclusive, mais vantajoso para os acionistas da Petrobras se a empresa segurasse os preços agora e arcasse com algum prejuízo do que permitir a volta de Lula. Dentro desse entendimento, uma nova gestão petista acabaria com a empresa a partir de 2023.

Na última semana, assessores da Economia brincaram que fariam um "War" da Esplanada, em referência ao jogo de tabuleiro no qual os jogadores precisam avançar sobre territórios. A ideia é mostrar como Guedes conseguiu progredir, sendo sua pasta comparada inclusive a uma escola de formação de ministros.

O ministro tem sido vitorioso, até agora, em segurar a pressão de setores do governo e do Legislativo por ideias mais drásticas –como a criação de subsídios para conter a alta do preço do diesel e da gasolina.

A pressão continua entre ministros da área política, com queixas de que as decisões a respeito do tema estão agora muito concentradas na mesa de Guedes. Paes de Andrade, oriundo da equipe de Guedes, chegou a ser refutado por nomes como Arthur Lira (PP-AL) –que havia defendido alguém com mais experiência no setor da primeira vez que ele havia sido cotado para o cargo.

Mas tem falado mais alto a percepção no governo, e principalmente de Bolsonaro, de que a economia será fator determinante na disputa presidencial. Isso tem levado o presidente a ouvir mais a área econômica e a circunscrever assuntos à pasta de Guedes.

Na ala política, o fortalecimento do ministro tem sido interpretado como um reequilíbrio de forças, dado o aumento crescente da influência do centrão nas decisões do governo desde que Bolsonaro se associou ao agrupamento de legendas em 2020.

Nesse sentido, o movimento para desidratar o centrão tem sido impulsionado por militares que orbitam o gabinete de Jair Bolsonaro. Eles passaram a considerar mais os posicionamentos de Guedes e sua equipe em detrimento das demandas da ala política.

Segundo assessores do Planalto, Guedes também tem deixado de olhar para trás –já que fracassou em suas promessas ousadas de privatização, abertura econômica e reformas estruturais– e passou a focar planos para um eventual segundo mandato de Bolsonaro.

Esses assessores citam, por exemplo, a ideia do ministro de criar um fundo com recursos das privatizações para atuar na redução da desigualdade. O ministro vê nisso, inclusive, um argumento matador contra as acusações do PT de que ele quer entregar recursos públicos para a iniciativa privada –agora, seria para combater a pobreza (em vez de ficar nas mãos de partidos).

Após diversos ministros adversários saírem do governo para buscar trajetórias solo em candidaturas regionais, Guedes chega ao final do mandato de Jair Bolsonaro com a chance de controlar mais do que nunca a área econômica.

*

VITÓRIAS E DERROTAS DE PAULO GUEDES

Setembro de 2019: DERROTA

Bolsonaro veta a criação de uma nova CPMF. O plano de Guedes previa que o novo tributo fosse usado para compensar corte de encargos trabalhistas. O desgaste culmina com a demissão do secretário da Receita, Marcos Cintra. Guedes perdeu a briga para um adversário de peso no Palácio do Planalto: o então ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni

Novembro de 2019: VITÓRIA

Apesar de seguir um caminho tortuoso, com altos e baixos, o ministro consegue aprovar a reforma da Previdência com o apoio do então presidente da Câmara, Rodrigo Maia. O presidente Jair Bolsonaro na época pouco se empenhou pela aprovação das mudanças

Abril de 2020: VITÓRIA

Militares discutem plano Pró-Brasil, que previa a reativação de obras públicas para evitar desemprego —colocando em xeque a agenda liberal e de redução do Estado de Guedes. O programa desperta a ira do ministro e o plano é engavetado

Agosto de 2020: DERROTA

Ministério de Guedes enfrenta a primeira debandada. Os secretários Salim Mattar (Desestatização)e Paulo Uebel (Desburocratização) deixam o governo por insatisfação com o ritmo da execução de seus projetos: a privatização de estatais e a reforma administrativa. Ainda na campanha eleitoral, Guedes apresentou a intenção de privatizar todas as estatais e arrecadar R$ 1,2 trilhão

Setembro de 2020: DERROTA

Presidente critica proposta de congelar aposentadorias para dar espaço ao novo programa social do governo e plano para rever benefícios para pessoas com deficiência e idosos com deficiência. Bolsonaro publica vídeo dando “cartão vermelho” a quem sugerir ideias do tipo e chama Guedes para se explicar

Setembro de 2020: DERROTA

Reforma administrativa elaborada por Guedes é enviada ao Congresso com previsão de redução de gastos de R$ 300 bilhões, mas depois cai no limbo diante da resistência da ala política do Planalto e do próprio presidente Bolsonaro

Fevereiro de 2021: DERROTA

Indicado por Guedes, presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, é demitido. No seu lugar, assume o general Silva e Luna. A mudança ocorre devido ao descontentamento de Bolsonaro com a política de preços da estatal, gerando comparações com administrações petistas

Fevereiro de 2021: VITÓRIA

Aprovação de uma das medidas prometidas por Guedes antes de assumir o ministério: autonomia do Banco Central

Março de 2021: VITÓRIA

Em uma nova frente de disputa, Guedes propõe o congelamento dos salários do funcionalismo por dois anos dentro da PEC Emergencial, com medidas de ajuste fiscal. Congresso prevê brecha e Bolsonaro veta dispositivo após apelo do ministro

Março de 2021: DERROTA

Governo decide isentar de tributos o diesel e o gás de cozinha. A sugestão dos militares foi anunciada sem que a equipe econômica tivesse encontrado uma forma de compensar a perda de arrecadação

Agosto de 2020: DERROTA

Na disputa por verbas para obras públicas, centrão e ministros políticos pressionam Jair Bolsonaro a trocar Guedes. Enquanto integrantes da articulação política pressionam por espaço no Orçamento, membros da equipe econômica afirmam que o respeito às regras fiscais, como o teto de gastos, é condição para que Guedes permaneça no cargo

Outubro de 2021: DERROTA

No momento mais duro para Guedes, Bolsonaro exige que o novo programa social do governo pague R$ 400, enquanto o ministro defendia um patamar mais baixo e dentro do teto de gastos. Vencido, o ministro comunica à equipe a tarefa de driblar o teto de gastos por meio de uma PEC e provoca uma nova debandada no time

Janeiro de 2022: DERROTA

Presidente passa a compartilhar com a Casa Civil a execução do Orçamento. Economia diz que medida ajuda em negociações com a classe política; mas, na prática, a pasta perde poder

Março de 2022: VITÓRIA

Diante da escalada no preço dos combustíveis, Guedes consegue segurar, por ora, pressões da ala política e do Congresso para criação de um subsídio generalizado para conter a alta da gasolina e do diesel. A ala continua a fazer gestões pela adoção da medida diante do risco do desabastecimento de diesel no país

Maio de 2022: VITÓRIA

Ministro faz gestões junto ao TCU e consegue destravar o processo de privatização da Eletrobras

Maio de 2022: VITÓRIA

A um só tempo, Guedes consegue emplacar dois secretários em posições estratégicas na discussão dos combustíveis. O ministro passa a ter influência direta no Ministério de Minas e Energia e na Petrobras



O Portal do Holanda foi fundado em 14 de novembro de 2005. Primeiramente com uma coluna, que levou o nome de seu fundador, o jornalista Raimundo de Holanda. Depois passou para Blog do Holanda e por último Portal do Holanda. Foi um dos primeiros sítios de internet no Estado do Amazonas. É auditado pelo IVC e ComScore.

ASSUNTOS: Economia

+ Economia