Siga o Portal do Holanda

Cinema

Livro sobre presidiárias brasileiras vai virar filme

Publicado

em


O livro de não-ficção "Presos que Menstruam: Histórias de mulheres que são tratadas como homens nas prisões paulistas" vai ganhar uma versão para os cinemas. Quem confirmou a informação foi a jornalista Nana Queiroz, autora da obra, em entrevista para o jornal Folha de S. Paulo.

Fruto de uma pesquisa de campo realizada entre os anos de 2010 e 2014, o livro se propõe a mostrar como o sistema carcerário brasileiro trata as mulheres com precaridade e ignora questões de gênero, oferecendo a elas tratamento muito similar ao masculino, inapto para tratar adequadamente de temas como menstruação, maternidade e outras especificidades do universo feminino.

Sendo assim, o livro também acompanha os fatores que levaram essas mulheres à cadeia, o impacto em suas famílias e o dia-a-dia na prisão. Na obra, menciona-se ainda os casos de presas "famosas" como Suzane Von Richthofen, que matou os pais, e Anna Carolina Jatobá, condenada pelo assassinato de sua enteada, a menina Isabella.

Ainda segundo Nana, a intenção é também adaptar o livro para o formato série de TV: "A gente quer transformar em um piloto de série e vender para um grande canal, ou até a Netflix".

O longa metragem deve se chamar Gardênia, nome de uma das detentas que teve sua história contada no livro. Gardênia é uma mulher definida como "uma traficante com a mente corroída" por sua genética ou pelo abuso de drogas que foi presa diversas vezes. Numa dessas ocasiões, estava grávida e teve de gritar para conseguir que os policiais conseguissem levá-la ao hospital quando ela estava em trabalho de parto. Quando sua filha nasceu, sequer deixaram que ela abraçasse a criança e logo lhe algemaram de volta à maca. Quando retornou à cadeia, teve de dormir no chão e os pontos da cesárea infecionaram. Gardênia também foi condenada por homicídio, mas ela não quis contar a Nana quem matou e a autora teve de descobrir por conta própria.

O trabalho de Nana Queiroz ganhou as manchetes brasileiras ao revelar a falta de absorventes íntimos em presídios femininos de São Paulo, fato que as faz detentas serem obrigadas a recorrer ao uso de papel higiênico e até miolo de pão.

Gardênia começa a ser filmado em 2016. O longa-metragem está em fase de captação de recursos.

+ Cinema

Para compartilhar este conteúdo, utilize o link ou as ferramentas oferecidas na página. Textos, fotos, artes e vídeos do Portal do Holanda estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral.

Copyright © 2006-2020 Portal do Holanda.