Compartilhe este texto

STF aceita denúncia contra ex-integrantes da cúpula da PM por omissão no 8 de janeiro

Por Portal Do Holanda

21/02/2024 21h35 — em
Brasil


Foto: Marcelo Camargo / Agência Brasil

Por unanimidade, a 1ª Turma do Supremo Tribunal Federal recebeu denúncia contra sete oficiais da Polícia Militar do Distrito Federal, inclusive ex-integrantes da cúpula da corporação, por participação nos atos antidemocráticos de 8 de janeiro de 2023. O procedimento investigativo, de relatoria do ministro Alexandre de Moraes, foi instaurado para apurar a atuação de autoridades públicas responsáveis por eventual omissão que teria possibilitado a invasão e depredação na Praça dos Três Poderes.

De acordo com o Conjur, por serem policiais militares responsáveis pela segurança pública do Distrito Federal, a denúncia envolve os delitos de descumprimento dos deveres de efetuar policiamento ostensivo e de preservar a ordem pública, previstos na Constituição Federal e na Lei Orgânica da PMDF (Lei 6.450/1977). Em razão da omissão, a acusação apresentada pela Procuradoria-Geral da República também abrange os crimes de abolição violenta do Estado democrático de Direito, golpe de Estado, dano qualificado contra o patrimônio da União e deterioração de patrimônio tombado.

A denúncia, que abrange os fatos ocorridos entre as eleições de 2022 e o dia 9 de janeiro de 2023, dia seguinte aos atos antidemocráticos, narra que a PM-DF tinha informantes ou policiais infiltrados nos movimentos de insurgência popular, inclusive nos acampamentos em frente ao Quartel-General do Exército, que municiaram os oficiais com informações frequentes e imagens, evidenciando a necessidade de ação preventiva para impedir os atos delituosos. Segundo a PGR, apesar de terem meios para evitar os ataques e a depredação na Praça dos Três Poderes, a cúpula da PM-DF se omitiu.

As defesas dos coronéis Fábio Augusto Vieira, então comandante-geral da PM-DF; Klepter Rosa Gonçalves, então subcomandante-geral da PM-DF; Jorge Eduardo Barreto Naime, ex-chefe do Departamento de Operações; Paulo José Ferreira de Sousa Bezerra; Marcelo Casimiro Vasconcelos; do major Flávio Silvestre de Alencar; e do tenente Rafael Pereira Martins afirmaram que a denúncia não apresenta os requisitos essenciais para o seu recebimento. Elas alegaram que a acusação não descreveu a estrutura objetiva dos delitos, nem indicou, de forma clara e precisa, as condutas imputadas aos acusados.

Indícios

Ao votar pelo recebimento da denúncia, o ministro Alexandre de Moraes afastou esse argumento. Ele observou que as peças apresentadas pela PGR detalharam adequadamente os fatos criminosos, com todas as suas circunstâncias, o papel de cada acusado e a classificação dos delitos. O ministro destacou que, nessa fase processual, não se forma juízo sobre eventual culpabilidade, bastando a apresentação de indícios razoáveis de autoria e de materialidade dos crimes para dar início à ação penal.

Na nova fase do processo, serão instauradas ações penais individuais e haverá coleta de provas e depoimentos de testemunhas de defesa e de acusação sobre os crimes descritos pela PGR. Só depois o STF julgará se condena ou absolve os réus.

Também por unanimidade, o colegiado atendeu a um pedido da PGR e manteve as prisões preventivas dos coronéis Fábio Augusto Vieira, Klepter Rosa Gonçalves, Paulo José Ferreira de Sousa Bezerra e Marcelo Casimiro Vasconcelos e do tenente Rafael Pereira Martins.

A partir de agora, as novas denúncias e ações penais instauradas sobre os atos antidemocráticos de 8 de janeiro de 2023 serão analisadas pela 1ª Turma do STF. Isso ocorre porque, em dezembro do ano passado, o Regimento Interno da corte foi alterado para restabelecer a competência das turmas para processar e julgar ações penais em trâmite no tribunal. No entanto, as ações que já estavam em andamento antes da publicação da emenda regimental, inclusive as outras referentes aos atos antidemocráticos, permanecerão em análise no Plenário. 


Siga-nos no
O Portal do Holanda foi fundado em 14 de novembro de 2005. Primeiramente com uma coluna, que levou o nome de seu fundador, o jornalista Raimundo de Holanda. Depois passou para Blog do Holanda e por último Portal do Holanda. Foi um dos primeiros sítios de internet no Estado do Amazonas. É auditado pelo IVC e ComScore.

ASSUNTOS: Brasil

+ Brasil