Siga o Portal do Holanda

Eleições 2018

Campanha de Bolsonaro pede inelegibilidade de Haddad no TSE

Publicado

em

BRASÍLIA — O ministro Jorge Mussi, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), abriu investigação para apurar se o governo da Paraíba prestou apoio de forma irregular à candidatura de Fernando Haddad (PT) à Presidência da República. O pedido foi feito pela campanha de seu adversário da disputa, Jair Bolsonaro (PSL), que apontou a ocorrência de abuso de poder político, econômico e de mídia. Os advogados de Bolsonaro pedem que, ao fim do processo, Haddad e sua vice, Manuela D'Ávila (PCdoB), sejam considerados inelegíveis por oito anos e tenham seus registros de candidatura ou diplomas (no caso de serem eleitos) cassados.

A defesa do candidato do PSL alegou que o governador da Paraíba, Ricardo Coutinho (PSB), tem prestado "apoio contundente ao primeiro investigado (Fernando Haddad), juntamento com todo seu staff e a toda a estrutura política e administrativa" do governo estadual. Isso teria ocorrido de formas diferentes.

Um jornal oficial do governo paraibano teria publicado "matérias negativas e baseadas em fake news" para promover Haddad ou desqualificar Bolsonaro. Além disso, os advogados do candidato do PSL afirmaram que a estrutura da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) foi usada para "fomentar a candidatura petista". Por fim, diretores e professores de escolas públicas teriam sido coagidos a fazer campanha para Haddad.

Os advogados de Bolsonaro pediram a retirada imediata das matérias jornalísticas citadas da internet e a suspensão de "novas matérias depreciativas" contra o candidato do PSL. Também solicitaram a remoção imediata de um texto no site da UEPB, assim como de uma postagem do Instagram.

Mussi negou atender esses pedidos por agora. Segundo ele, "o que se pode aferir é a defesa apaixonada do povo nordestino; a mera reprodução de manifestações de personalidades políticas; a exibição de matéria relacionada a declaração feita pelo deputado federal Eduardo Bolsonaro, amplamente divulgada pela mídia; nota da UEPB em repúdio a ações violentas e defesa da educação e de valores democráticos, sem agressões à honra ou à imagem de candidato ou explícita propaganda eleitoral; e, finalmente, publicidade de evento no qual se associa o nome do candidato representado (Haddad) à universidade, cuja organização se atribui à 'Comunidade Acadêmica UEPB'."

A campanha de Bolsonaro pede que Coutinho, a diretora do jornal, e o reitor e vice-reitor da UEPB também sejam declarados inelegíveis ao fim do processo. Mussi deu prazo de cinco dias para que todos eles, incluindo Haddad e Manuela, apresentem suas defesas.

Na defesa da ZFM, falta um telepronter para Wilson Lima no palco de Brasília

-

Para compartilhar esse conteúdo, por favor utilize o link ou as ferramentas oferecidas na página. Textos, fotos, artes e vídeos do Portal do Holanda estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral.

ARENA H: Confusão na NBA

 Siga o Holanda

Amazonas

Copyright © 2006-2019 Portal do Holanda.