Bastidores da Política - Wilson Lima aperta botão de autodestruição do seu governo


Wilson Lima aperta botão de autodestruição do seu governo

Por RAIMUNDO DE HOLANDA

08/12/2020 21h55 — em Bastidores da Política

  • Enquanto os incêndios se alastram no governo do Amazonas, há um “predador' à espreita...

A judicialização da eleição da Mesa Diretora da Aleam, promovida por um grupo de deputados e incentivada pelo governador  Wilson Lima,  é  um  aperto no botão de autodestruição do governo. O botão sempre esteve lá, mas tinha que ser apertado pela imprudência, pela ausência de conhecimento técnico da máquina do Estado e suas relações com outros poderes. Agora pipocam pequenos e grandes incêndios, como a CPI que deve investigar os contratos de gestão do hospital Delphina Aziz, e indícios de corrupção nas relações de fornecedores com agentes públicos.  

Ainda que a batalha judicial seja vencida pelo grupo governista, o grande perdedor será o governador Wilson Lima, pela exposição negativa no episódio, pela ofensiva da maioria que deve ratificar em nova eleição a condução de Roberto Cidade  para a presidência da Assembléia Legislativa do Amazonas, o que deve resultar mais tarde no  inevitável processo de impedimento  que o governador tanto teme. 

UM "PREDADOR" DE OLHO

Enquanto os incêndios se alastram, há um “predador' a espreita,   cujo papel é eliminar a corrupção e enquadrar os que se especializaram em transformar a coisa pública  em privada: o Ministério Público Federal, que acaba de criar, a nivel do Estado do Amazonas, o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado. De olho nas atitudes do governo, o Gaeco Federal,  sem relações com os poderes locais e mais independente que seu homônimo estadual,  vai  cair como uma fera em cima de pequenos e grandes espertalhões. 

Raimundo de Holanda é jornalista de Manaus. Passou pelo "O Jornal", "Jornal do Commercio", "A Notícia", "O Estado do Amazonas" e outros veículos de comunicação do Amazonas. Foi correspondente substituto do "Jornal do Brasil" em meados dos anos 80. Atualmente escreve a coluna Bastidores no Portal que leva seu nome.