Bastidores da Política - Tudo o que o Brasil não deseja é a repetição de uma tragédia


Tudo o que o Brasil não deseja é a repetição de uma tragédia

Por RAIMUNDO DE HOLANDA

30/08/2021 19h24 — em Bastidores da Política

As manifestações programadas para 7 de Setembro  preocupam - menos pela eventual participação da sociedade em defesa do presidente do Brasil, e mais, muito mais, porque Bolsonaro aposta no vale tudo. A frase: “só tem três alternativas para meu futuro - ”ser preso",  que ele descarta - "ser morto ou a vitória”, pode conter não mera conjectura, mas a intenção deliberada de se  expor a riscos que  poderiam, em tese, torná-lo mártir ou de novo a grande vítima de uma trama urdida contra  o ”país” que ele deseja mudar.

Tudo o que o Brasil não quer é isso.: a ocorrência de um fato dramático,  provocado por qualquer lunático - e há  muitos por aí - que atinja a integridade física de Bolsonaro,  um estopim para incendiar a sociedade e colocar em xeque as instituições.

A segurança pessoal do presidente deve ser reforçada, inclusive, se necessário, contra sua vontade.

Se Bolsonaro deseja fazer uma festa no 7 de Setembro, defender suas ideias, por mais  retrógradas que sejam, a democracia lhe confere esse direito. Mas não pode deixar-se imolar para encerrar o dia como mártir ou vítima.

Raimundo de Holanda é jornalista de Manaus. Passou pelo "O Jornal", "Jornal do Commercio", "A Notícia", "O Estado do Amazonas" e outros veículos de comunicação do Amazonas. Foi correspondente substituto do "Jornal do Brasil" em meados dos anos 80. Atualmente escreve a coluna Bastidores no Portal que leva seu nome.