Bastidores da Política - Não é o palavrão de Bolsonaro contra Barroso que indigna. É a forma como ele o utiliza


Não é o palavrão de Bolsonaro contra Barroso que indigna. É a forma como ele o utiliza

Por RAIMUNDO DE HOLANDA

06/08/2021 19h43 — em Bastidores da Política

O presidente Bolsonaro tinha uma pose de dono do mundo. Mas nesta sexta-feira exibiu seu lado mais primitivo, que revela a um só tempo irritação, medo e desespero. Ao chamar o ministro do  STF, Luís Roberto Barroso, de "Filho da Puta", o presidente  escancara o horizonte de solidão para o qual está sendo empurrado. Contra ele e seus desatinos, um STF que rompeu o silêncio e estabeleceu uma barreira contra seus  anseios autoritários . De outro lado, uma CPI que coloca sob suspeita de corrupção o seu  governo e escancara  negócios escusos realizados, senão com sua permissão, com sua omissão.

Bolsonaro tem agora a real percepção de que está ficando isolado e pode acabar sozinho, provavelmente impedido de ser candidato à reeleição, ou mesmo submetido a um processo de impeachment. Isso se os partidos de centro com os quais compartilhou o governo decidirem abandoná-lo,  caso o barco onde entraram para fazerem o papel de ratos comece a fazer água.

Bolsonaro terá o mesmo fim de Collor. Até antevejo o presidente repetir a célebre frase do "caçador de marajás", em dramático apelo a um povo que o deixou falando sozinho, após um período de namoro e confiança rompidos: "não me deixem só”.

A diferença entre Collor e Bolsonaro é que o primeiro era inteligente, tinha um sonho, abraçou certas ideias da esquerda, como  congelar a poupança e editou  medidas que atrasaram o pais e irritaram os brasileiros. Os problemas de corrupção que revelaram a figura até então oculta de PC Farias levariam seu governo para o abismo.

Já Bolsonaro é limitado, o grupo que o cerca - a começar pelos filhos - é composto por pessoas limitadas e com uma visão de um mundo que não existe mais.

Não é o palavrão que indigna. Afinal  muita gente  se trata como  "Filha da Puta", com uma certa dose de  cumplicidade e carinho… ou  de "cuzão", ou “tu ‘é foda” ou "poxa, você é mesmo arrombada”, com clara mudança de significado - arrombada é igual a inteligente, esperta, dependendo do contexto  em que a palavra  é empregada. 

O que indigna é a forma como é o termo foi utilizado por Bolsonaro,  no sentido de evidente desapreço à mãe do ministro Barroso.

Bolsonaro não teve a intenção, mas ao dizer que  Barroso é “filho da puta”. atingiu todas as mulheres que são mães sem nunca terem sido putas.

 

 

Raimundo de Holanda é jornalista de Manaus. Passou pelo "O Jornal", "Jornal do Commercio", "A Notícia", "O Estado do Amazonas" e outros veículos de comunicação do Amazonas. Foi correspondente substituto do "Jornal do Brasil" em meados dos anos 80. Atualmente escreve a coluna Bastidores no Portal que leva seu nome.