Bastidores da Política - Na CPI:'Digníssimo farsante, responda'. 'Respeitosamente, não responderei...'


Na CPI:'Digníssimo farsante, responda'. 'Respeitosamente, não responderei...'

Por RAIMUNDO DE HOLANDA

30/06/2021 20h25 — em Bastidores da Política

O silêncio de acusados e testemunhas, assegurado  por Lei, é um entrave às investigações em curso na CPI da Covid. “Permanecerei em silêncio” é uma frase maldita, repetida mil vezes por criminosos contumazes, e se espalha como um câncer que obstrui a justiça que se quer construir a partir de fatos sobre quais eles têm pleno conhecimento. “Respeitosamente não responderei”.

Como são respeitosos e dignos esses criminosos, como escondem a verdade descaradamente…

Acho que é de Plínio Salgado (1895-1975) a expressão “Digníssimo farsante, então responda…”, ao se dirigir a um opositor no Congresso. Frase que poderia ser reproduzida por Renan Calheiros, relator da CPI, ao repetir perguntas que obviamente não terá resposta. Respeito é tudo, não é? Vale para os bons e os maus, quando são minimamente inteligentes.

Num ambiente no qual a farsa é a base da narrativa de um governo contaminado pela fraude, pelo erro, pela soberba e pela morte, o direito ao silêncio quase santifica o crime. Porque o silêncio “não importa em confissão, não poderá ser interpretado em prejuízo da defesa”. Como a Lei é benevolente…

Onde falta cérebro, um deus neon, falta princípios, sobra soberba, arrogância  e espaço para a intriga e o ódio. Tudo o que alimenta esse governo criminoso. Tempos difíceis vivemos…

Raimundo de Holanda é jornalista de Manaus. Passou pelo "O Jornal", "Jornal do Commercio", "A Notícia", "O Estado do Amazonas" e outros veículos de comunicação do Amazonas. Foi correspondente substituto do "Jornal do Brasil" em meados dos anos 80. Atualmente escreve a coluna Bastidores no Portal que leva seu nome.