Bastidores da Política - Marcelaine e Jordana, irresistivelmente belas e perigosas


Marcelaine e Jordana, irresistivelmente belas e perigosas

Por RAIMUNDO DE HOLANDA

22/09/2021 20h27 — em Bastidores da Política

Não pensei que iria irritar tanta gente com a coluna de ontem  - Não apontem o dedo para Jordana - nem que leitores relembrassem um caso de 2016, onde duas socialites, bem casadas, brigavam pelo amor de outro homem. E, ao contrário de agora, os maridos eram pessoas boas e complacentes. Não pareciam atingidos pelo ódio que as duas mulheres espalhavam, a ponto de uma delas. — Marcelaine Schumann -  encomendar a morte da rival.

Ninguém foi assassinado. O único que morreu, de tristeza, vergonha e dor, foi o marido da mandante de um  crime que não chegou a ser consumado.

Marcelaine acabou condenada a 7 anos de prisão num julgamento no qual admitiu a tentativa de homicídio.

Nas primeiras semanas em que Marcelaine foi mantida presa, o marido a acompanhou, altivo, mas com uma tristeza que mais tarde produziria a enfermidade que o matou.

Paixão assim, que se mantém na tortura e na vergonha, na  desumana exposição pública, expiando por pecados que não eram dele,  torturado pelas piadas daqueles que se diziam amigos,  eu nunca vi…

E agora? Os leitores indagaram se eu sabia - pois estava neste site - que a polícia suspeitava que Jordana, ao ser desmascarada pelo marido e admitir que mantinha um caso com o sargento Lucas Guimarães, resolveu se aliar ao esposo, em nome da família, para planejar  a morte do homem que dizia amar.

Que resposta dar ? Sim e não são apenas sinais, não respostas para o que todos leram. Sim e não são palavras que também complementam nossas dúvidas, nosso doentio interesse por casos  como este.  E, de certa forma expõem  um dilema: até onde poderíamos ir ?

Seriamos passivos como o marido de Marcelaine Schumann ? Agressivos como Marcelaine e Jordana Freire?  Arquitetaríamos  uma vingança feroz e mortal, como Joabson Gomes fez ?

São experiências com  as quais poderemos nos deparar um dia e para as quais devemos estar preparados, com o pé no freio .

Porque não somos diferentes. Temos desejos, paixões e misturamos tudo quando estamos ameaçados.

Nosso sentimento de propriedade vai além da casa, do carro, do terreno da esquina. Nossa posse está no outro ou na outra. E nem de nós mesmos somos donos…   Mas temos o dever de estar atentos, não aos nossos fracassos e traições. Atentos para não ultrapassar a fronteira  que separa a consciência  de nossa natureza humana e coletiva  da demência total.

Marcelaine Schumann é condenada a 7 anos e 9 meses de prisão

Juiz nega habeas corpus em favor da socialite Marcelaine. "Não dá para confiar nela"

Dias após condenação, Marcelaine Schumann vai cumprir pena em casa

Donos do supermercado Vitória vão passar a noite em celas separadas em delegacia de Manaus

Sargento foi executado por ser amante da mulher do dono do supermercado Vitória

Esposa de dono do Vitória desviava dinheiro de supermercados para ao amante, diz polícia

Raimundo de Holanda é jornalista de Manaus. Passou pelo "O Jornal", "Jornal do Commercio", "A Notícia", "O Estado do Amazonas" e outros veículos de comunicação do Amazonas. Foi correspondente substituto do "Jornal do Brasil" em meados dos anos 80. Atualmente escreve a coluna Bastidores no Portal que leva seu nome.