Bastidores da Política - A história de Cláudia e Júlia que não foi contada


A história de Cláudia e Júlia que não foi contada

Por RAIMUNDO DE HOLANDA

26/06/2021 19h47 — em Bastidores da Política

  • Quando duas mulheres deixam a cidade onde nasceram em busca de um sonho - como fizeram as amazonenses Cláudia e Júlia, assassinadas em São Paulo - é porque o sentido da vida é essa eterna busca da felicidade. As vezes dá tudo errado…

A vida para a maioria dos  amazonenses é um grande desafio. Sem emprego, sem comida na mesa  a vida só  faz sentido porque muitos se apegam à fé. Mas a fé é a miséria compartilhada, onde as igrejas se apropriam da metade do pão que sobrou.

Os que envelhecem agradecem porque não ficaram pelo caminho, não tiveram a má sorte de ser mortos na violência da cidade, discriminados  pela cor, prostituídos,  transformados em aviões do tráfico ou  presos como se ladrões fossem.   

Mas há uma inquietude que consome a imaginação dos que não se conformam com a situação presente. E o pensamento voa em busca de abrigo, às vezes em terras distantes, onde as oportunidades  são maiores.

Quando se deixa a cidade onde se nasceu em busca de um sonho - como  fizeram as amazonenses Cláudia e Júlia,  assassinadas em São Paulo - é porque o sentido da vida é  essa  eterna busca da felicidade. As vezes dá tudo errado.

A possibilidade de fracasso é sempre maior do que a conquista do sonho desejado, porque a felicidade é um caminho de pedras, com seus monstros  aniquiladores, com suas armadilhas e trapaças. Poucos a conquistam.  Muitos, como as duas amigas, acabam perdendo a vida.

Cláudia e Júlia foram assassinadas mas também  julgadas pelo tribunal da internet,  com fotos sensuais, tudo exposto, em narrativa que adentra sem pudores a intimidade das duas mulheres.

O sonho delas virou pesadelo para as duas famílias. Rendeu audiência para os programas sensacionalísticos da TV horror.

Ninguém procurou saber a história dessas moças, a infância pobre, a escola onde estudaram, as bonecas que tiveram, o primeiro contato com a internet.

Essa história, se contada, renderia algumas lágrimas. E, senão a certeza, a sensação de que essa exposição de seus corpos e de suas fantasias, das suas relações, de sua  sexualidade, é uma segunda morte da qual todos de certa forma estão participando.

Que elas descansem em paz….

Veja também:

Amigas de Manaus desaparecem misteriosamente após baile funk em São Paulo

Amigas de Manaus são encontradas mortas em São Paulo

Corpos de amigas de Manaus encontradas mortas em SP aguardam liberação do IML

Amigas de Manaus mortas em SP podem ter sido vítimas do ‘tribunal do crime’

Corpo de amazonense morta em SP é liberado para enterro em Manaus

Amigas de Manaus teriam sido atraídas para emboscada em São Paulo, diz polícia

Jovem de Manaus morta com amiga em SP tinha quantia exorbitante em conta bancária

Raimundo de Holanda é jornalista de Manaus. Passou pelo "O Jornal", "Jornal do Commercio", "A Notícia", "O Estado do Amazonas" e outros veículos de comunicação do Amazonas. Foi correspondente substituto do "Jornal do Brasil" em meados dos anos 80. Atualmente escreve a coluna Bastidores no Portal que leva seu nome.