Bastidores da Política - Grupos que mandam no governo do Amazonas e a divisão de poder no Estado


Grupos que mandam no governo do Amazonas e a divisão de poder no Estado

Por RAIMUNDO DE HOLANDA

19/07/2021 19h26 — em Bastidores da Política

A eleição de Wilson Lima em 2018 mergulhou o Amazonas em uma crise moral e política sem precedentes na história do Estado. O homem que tomou posse em 1 de janeiro de 2019, com a proposta de mudar a cara do governo, colocou o Amazonas no centro de ao menos dois grandes escândalos - o da falta de oxigênio e leitos durante a segunda onda da Covid 19, com centenas de mortes que poderiam ter sido evitadas, como fez vista grossa ao uso do aparelhamento da inteligência do governo  para o cometimento de assaltos.

Wilson Lima apareceu na eleição como a esperança de um  eleitorado que exigia mudanças radicais na politica, mas seu enfraquecimento começou no dia da vitória, quando integrantes do grupo empresarial que o ejetou da televisão para a politica assumiram, publicamente,  que o poder era deles e somente deles, Que eles haviam vencido.

De lá para cá ocorreu uma sucessão de erros, disputas por fatias de poder e agravou-se agora, com a repartição do governo.

LEIA TAMBÉMVitória do clã Calderaro é comemorada

Submetido a sucessivas ameaças de formação de CPIs e de impeachment, que não saíram das gavetas, Wilson permitiu a formação de uma espécie de governo de coalizão, não oficialmente declarado, mas concebido claramente nos bastidores. Deputados  começaram a ocupar secretarias ou indicar prepostos, a fazer contratos e interferir na administração.

O governo do Amazonas foi transformado em um sistema misto - onde o governador finge que manda e os parlamentares sabem que governam. Mas não sozinhos, há interesses remanescestes do processo eleitoral, que não podem ser quebrados

Todo esse cenário caótico deslegitima o governo e aponta para a necessidade de uma urgente intervenção do Judiciário, já que os órgãos de controle fizeram sua parte, denunciando crimes de corrupção e apontando Wilson Lima como líder dos desmandos que resultaram em ao menos três operações da Polícia Federal, inclusive na casa do governador e no Palácio da Compensa, além da prisão de vários secretários.

Raimundo de Holanda é jornalista de Manaus. Passou pelo "O Jornal", "Jornal do Commercio", "A Notícia", "O Estado do Amazonas" e outros veículos de comunicação do Amazonas. Foi correspondente substituto do "Jornal do Brasil" em meados dos anos 80. Atualmente escreve a coluna Bastidores no Portal que leva seu nome.