Bastidores da Política - Finados: dia de celebrar a vida, que é frágil, efêmera e um dia se apaga


Finados: dia de celebrar a vida, que é frágil, efêmera e um dia se apaga

Por RAIMUNDO DE HOLANDA

01/11/2021 17h27 — em Bastidores da Política

Entre cruzes e velas olhamos superficialmente os que nos deixaram durante a pandemia de Covid 19. As lembranças aparecem como fantasmas que despertam nossas angústias, o tempo que existiu e as oportunidades que perdemos para  acenar com um gesto: como o estender as mãos ou dizer  “te amo”.

Uma oportunidade perdida para sempre.

Nem todos eram amigos, irmãos, companheiras. Mas de certa forma influenciamos negativamente em suas vidas porque os ignoramos  ou os julgamos, os condenamos ou fomos indiferentes com eles. Nem éramos melhores nem mais justos. Éramos o que somos: hipócritas, dissimulados, fingidos - um mais  'honesto' que o outro, acima de qualquer suspeita que o outro.

Nada do que fazemos nas sombras é  revelado, exceto para a consciência  de cada um de nós. Será? Um dia, talvez, porque como  diz São Paulo na carta aos Tessalonicenses: ”o dia do Senhor virá como um ladrão à noite”.
E quando a morte chega para aqueles que conhecemos, é para nós como o ladrão que entra inesperadamente e nos surpreende. Será inevitável que chegue para todos.

Mas poderíamos ser melhores ou tentar ser melhores, porque a vida - a vida da gente e a do outro - é o que importa, a liberdade, a justiça são  o que importa.

Mas não sabemos ainda nem viver em paz com nossos irmãos, nossos vizinhos, nossos amigos. E nossos adversários, então, tratamos como se fossem inimigos mortais.

Neste dia 2 de novembro que nos lembremos apenas de uma coisa: a vida continua para nós e a vida é frágil, efêmera e  se apaga como uma vela ao vento.

Raimundo de Holanda é jornalista de Manaus. Passou pelo "O Jornal", "Jornal do Commercio", "A Notícia", "O Estado do Amazonas" e outros veículos de comunicação do Amazonas. Foi correspondente substituto do "Jornal do Brasil" em meados dos anos 80. Tem formação superior em Gestão Pública. Atualmente escreve a coluna Bastidores no Portal que leva seu nome.