Compartilhe este texto

Eleições 2024 e a máquina de triturar pré-candidatos


Por Raimundo de Holanda

24/02/2024 19h33 — em
Bastidores da Política


  • Mesmo o ‘Menino Veneno’, colocado no “modo indefinido”, perdido entre 'ser ou não ser' - corre sério risco de ficar pelo caminho, entregue a devaneios de poder.

Até 5 de agosto, data limite para as convenções partidárias e escolha dos candidatos a prefeito e vereador, muita água pode rolar e os que se antecipam, anunciando pré-candidaturas, terão sido triturados pela máquina dos partidos, atrelados a grupos de interesse. 

Outros, mais afoitos, embriagados pela pouca idade, despreparo, vaidade e ambição, fatalmente serão engolidos pelo redemoinho provocado pela explosão das bolhas nas quais ganharam popularidade. 

É quando veem o prestígio no qual se ancoravam se esgotar, na medida em que o eleitor cansa da falta de propostas e de tentativas de desqualificar adversários (sem demonstrar que são melhores que eles). 

Mesmo o ‘Menino Veneno’, colocado no “modo indefinido”, perdido entre ser ou não ser -  corre sério risco de ficar pelo caminho, entregue a devaneios de poder.

A última palavra é sempre do eleitor. E mais do que nunca Manaus precisa que esse eleitor vote pensando na cidade, não em nomes. Vote a partir de propostas, não de críticas. Quem acusa e critica muito, geralmente não tem nada a oferecer.

Siga-nos no

ASSUNTOS: eleições 2024, Manaus

Raimundo de Holanda é jornalista de Manaus. Passou pelo "O Jornal", "Jornal do Commercio", "A Notícia", "O Estado do Amazonas" e outros veículos de comunicação do Amazonas. Foi correspondente substituto do "Jornal do Brasil" em meados dos anos 80. Tem formação superior em Gestão Pública. Atualmente escreve a coluna Bastidores no Portal que leva seu nome.