Bastidores da Política - Braga e Omar 'cochilam' e relatório da CPI da Covid é parcial em relação ao Amazonas


Braga e Omar 'cochilam' e relatório da CPI da Covid é parcial em relação ao Amazonas

Por RAIMUNDO DE HOLANDA

26/10/2021 18h28 — em Bastidores da Política

Ao tempo que o presidente Jair Bolsonaro (e outros 80 agentes públicos ou não) é indiciado por diversos crimes, pessoas e empresas que participaram da complexa e ineficaz utilização da proxalutamida no Amazonas, numa experiência malsucedida, sequer foram mencionadas no relatório da CPI da Covid. Se não houve a intenção de blindá-las, e acreditamos sinceramente que não, houve um lamentável cochilo dos senadores Omar Aziz (PSD), que presidiu a comissão, e Eduardo Braga(MDB).

Ou a ação corriqueira, explicita, imoral e contumaz  de empresário da saúde (e de empresa) que participou  e fez propaganda  da complexa e ineficaz utilização da proxalutamida não  tem importância penal?

Quem, de qualquer modo, concorre para o crime incide nas penas a este fixada na medida de sua culpabilidade. E por que não foi  indiciado quem concorreu não só com a divulgação dos métodos de cura da proxalutamida, sua disseminação, uso, propaganda, e outro meios na divulgação do medicamento?

Que as demais autoridades (especialmente o Ministério Público),  que têm a responsabilidade de prosseguir nas investigações, deem as respostas tão esperadas pela sociedade, pois houve  o concurso de pessoas durante o pico da pandemia no Amazonas em prática ilícita, descrita como crimes contra a humanidade. Entre essas pessoas,  um  empresário, que foi o "propulsor da cura“ pela droga.

É importante apurar sua responsabilidade penal, não somente individualizada, mas da ação conjunta de todos aqueles que participaram da metodologia considerada criminosa pela CPI..

O relatório, muito politico,  diz algumas verdades. Por exemplo, de ter ocorrido durante a pandemia crime contra a humanidade, descritos no Estatuto de Roma, o que indica atrocidades que teriam sido praticadas como consequência de um ataque generalizado, direcionado, particularmente à sociedade amazonense. Mas indiciar apenas o governador e fechar olhos para quem disseminou o tratamento precoce, lucrou  com a pandemia, calou judicialmente os que o denunciavam é um tapa na cara dos amazonenses. 

Os senadores  fecharam literalmente  os olhos à realidade de um Estado que lhes concedeu o direito de representá-lo  no Senado Federal.

Ou, como diz o caboclo:  será que os dois senadores cegaram ao olhar a luz brilhante de 2022? É passível. Mas nem tudo está claro. O resultado da CPI para o Amazonas é melancólico…

Raimundo de Holanda é jornalista de Manaus. Passou pelo "O Jornal", "Jornal do Commercio", "A Notícia", "O Estado do Amazonas" e outros veículos de comunicação do Amazonas. Foi correspondente substituto do "Jornal do Brasil" em meados dos anos 80. Tem formação superior em Gestão Pública. Atualmente escreve a coluna Bastidores no Portal que leva seu nome.