Emmy dá troféu máximo a 'The Crown' e põe Netflix à frente da HBO

Por Folha de São Paulo / Portal do Holanda

20/09/2021 8h03 — em Arte e Cultura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A maldição foi quebrada. Oito anos depois de sua primeira aparição no Emmy, a Netflix finalmente faturou uma das três principais estatuetas da maior premiação da TV e do streaming americanos -na verdade, o ineditismo veio em dose dupla, com prêmios de melhor série de drama, para "The Crown", e minissérie, para "O Gambito da Rainha".

Da tríade dos principais troféus do Emmy, o gigante do streaming só ficou sem o de série de comédia, que foi para o Apple TV+ e seu "Ted Lasso", num ano em que nada nessa categoria empolgava muito -"Cobra Kai" e "Emily em Paris" entraram na lista das melhores comédias do ano, o que diz muita coisa.

Apesar das 30 indicações recebidas nos últimos anos nessas três seções, e de produções aclamadas que quase chegaram lá -como "House of Cards", "Stranger Things" e a própria "The Crown"-, a Netflix foi, ano após ano, desbancada, em especial por sua rival HBO.

E a emissora americana até tentou acabar com a festa da Netflix de novo, liderando a quantidade de indicações deste Emmy, mas acabou ficando, pela primeira vez em uma década, sem vencer em melhor drama, melhor comédia ou melhor minissérie -desde 2011, a HBO vinha arrematando ao menos um dos prêmios anualmente.

No quadro geral, a Netflix também saiu à frente da concorrência, vencendo 44 estatuetas no total -dez hoje e outras 34 ao longo da última semana, quando prêmios técnicos foram entregues. A HBO ficou com 19, o Disney+, com 14, e o Apple TV+, com 11.

"The Crown" foi a produção que impulsionou a grande noite da Netflix, embolsando 14 prêmios -incluindo todos os de atuação na área de drama, com vitórias de Olivia Colman, Josh O'Connor, Gillian Anderson e Tobias Menzies. Apesar do feito inédito para a Netflix, não era surpresa que a trama sobre a família real dominaria este Emmy.

É um fato notável para uma série que não havia conquistado o prêmio antes e o fez, pela primeira vez, logo numa quarta temporada, quando a maioria das produções já perderam tração entre público e crítica -aqui, no entanto, havia o trunfo de Lady Di e Margaret Thatcher, que injetaram vida nova em "The Crown".

Em comédia, mesmo com a ameaça que "Hacks" por vezes pareceu impor a "Ted Lasso", essa última também acabou confirmando o favoritismo, fazendo da categoria de melhor minissérie ou filme para a TV a mais empolgante da noite.

Era ali que morava a maior batalha deste Emmy -tanto que os organizadores do evento quebraram a tradição e decidiram deixar a categoria encerrar a noite, antecipando a entrega do troféu de melhor drama.

A disputa acirrada é fruto de uma safra excepcional de minisséries que chegaram à TV e ao streaming no último ano. "The Underground Railroad" corria por fora, bem como "I May Destroy You", elogiadíssima. A briga mesmo parecia estar entre "WandaVision", com sua autorreverência à televisão, e, principalmente, "Mare of Easttown" e "O Gambito da Rainha".

Essa última, da Netflix, deu um xeque-mate na produção da HBO. Ambas foram aclamadas e se tornaram enormes fenômenos de público, é verdade, mas "Mare of Easttown" parecia ter mais chances, com seu maior apuro técnico e a crítica a seu lado quase que de forma unânime. Não foi o que aconteceu.

Se serve de consolo para os fãs de "Mare", seu elenco, ao menos, foi merecidamente reconhecido sobre o de "Gambito", levando os prêmios de ator e atriz coadjuvante em minissérie -para Evan Peters e Julianne Nicholson- e também o de melhor atriz, para Kate Winslet. Aí, talvez, a segunda disputa mais acirrada da noite.

Winslet, uma das maiores estrelas hoje em Hollywood, vencedora do Emmy no passado, concorria com Anya Taylor-Joy, a it girl do momento. Ambas estavam impecáveis em seus papéis, mas só uma poderia vencer. Talvez uma solução mais interessante teria sido justamente inverter os prêmios, reconhecendo "Mare of Easttown" enquanto minissérie, e Anya Taylor-Joy enquanto nova promessa para a indústria. Uma passagem de coroa simbólica, digamos.

Mas não são os fãs de Taylor-Joy que implicarão com o Emmy nos próximos dias. Nesta edição do prêmio, marcada por uma batalha entre gigantes -Netflix e HBO-, a diversidade ficou em segundo plano. Todos os atores premiados neste ano são brancos -nem mesmo Billy Porter, negro e gay, e Mj Rodriguez, mulher trans e latina, confirmaram as expectativas de que seriam reconhecidos pela derradeira temporada de "Pose".

Não que esse desfecho fosse exatamente imprevisível -essa, afinal, foi uma cerimônia sem grandes surpresas ou emoções-, mas a falta de diversidade é um fato a ser notado e a hashtag #EmmysSoWhite já ensaia burburinhos nas redes. Os próprios organizadores do Emmy, aliás, pareceram querer se antecipar a eventuais críticas.

Eles convocaram um batalhão diversificado de atores para apresentar as categorias durante a cerimônia, ela própria comandada por Cedric the Entertainer. O anúncio de direção em minissérie, por exemplo, recebeu no palco um grupo de artistas de ascendência indígena, que estava ali justamente para, em seu discurso, frisar a importância da representatividade no audiovisual.

Por outro lado, tivemos duas mulheres vencendo nas categorias de direção -Jessica Hobbs, de "The Crown", e Lucia Aniello, de "Hacks". E foram as mulheres as autoras dos escassos discursos politizados da noite, em especial Michaela Coel, indicada pela atuação, direção, produção e roteirização de "I May Destroy You".

Mas a política, ao que tudo indica, ficará para a ressaca da manhã seguinte.


O Portal do Holanda foi fundado em 14 de novembro de 2005. Primeiramente com uma coluna, que levou o nome de seu fundador, o jornalista Raimundo de Holanda. Depois passou para Blog do Holanda e por último Portal do Holanda. Foi um dos primeiros sítios de internet no Estado do Amazonas. É auditado pelo IVC e ComScore.

+ Arte e Cultura