Siga o Portal do Holanda

Cinema

'Vai que Cola 2: O Começo' acerta e erra, mas com ousadia

Publicado

em

Foto: Reprodução

FOLHAPRESS - Para começar, a proposta de transformar uma série de TV bem-sucedida em um filme para ganhar os cinemas é algo, no mínimo, questionável. Quase sempre, o resultado não surpreende. A oferta se resume a um episódio esticado na tela grande.

Mesmo seriados instigantes como "Os Normais" caíram nessa cilada. Aliás, a série "Cilada", de Bruno Mazzeo, também foi uma vítima.

"Vai que Cola", o filme de 2015, surfou no sucesso da comédia exibida pelo canal Multishow. De humor escrachado, com forte sotaque do subúrbio carioca, é apresentada diante de uma plateia, como teatro filmado em estúdio. Modelo copiado de "Sai de Baixo", dos anos 1990, que por sua vez já reutilizava a fórmula de "Família Trapo", da década de 1960.

"Vai que Cola 2: O Começo", agora nos cinemas, não comportava grandes expectativas, mas é evidente que o filme tem seus acertos. O humor avança em altos e baixos, muita coisa só tem graça para quem conhece bem os personagens, mas é louvável como o roteiro se arrisca em sequências completamente absurdas. Humor sem freio sempre vale a pena.

O filme é o que os americanos celebrizaram como "prequel". Foca acontecimentos cronologicamente anteriores aos relatados no primeiro longa. No original, o centro da trama estava em Paulo Gustavo e seu personagem, Valdo. As piadas vinham de seu relacionamento com os hóspedes da pensão da Dona Jô, no Méier. Agora, a história recua para mostrar como o grupo de personagens que vive na pensão foram parar por lá.

O protagonismo está com Cacau Protássio, que interpreta Terezinha Tziu. Se o humor de "Vai que Cola" nasce principalmente de arranca-rabos entre seus personagens, a histriônica Terezinha é um furacão em cada cena. Grita, esperneia, bate boca e não tem capacidade de conversar sem ser no volume máximo. Quando ela sai de cena, parece que o filme se acalma.

Outros dois tipos se destacam. A periguete Jéssica, defendida com garra por Samantha Schmütz, e Ferdinando, "concierge" da pensão com pretensões a atriz, interpretado com muito carisma por Marcus Majella. Eles, como o resto do elenco, repetem os trejeitos e os fraseados dos personagens que já interpretam desde 2013, quando a série começou a ser exibida.

O humor rasteiro tem seus fãs cativos, que levaram o seriado à maior audiência da história do Multishow e fez mais de três milhões de pessoas pagarem ingresso nos cinemas para ver o primeiro filme. Mas até quem torce o nariz para as piadas repetitivas da série vai se surpreender com os rumos do roteiro desse segundo longa.

Não há limites. Personagens morrem e voltam para interagir com os vivos. As coincidências são disparatadas. Marcelo Médici participa como um sujeito que cai de paraquedas nas cenas, literalmente, apenas para explicar furos do roteiro. E o filme ainda esconde sob disfarces a atriz Fiorella Mattheis, logo ela que está na série de TV como a bonitona da turma.

Talvez o segundo "Vai que Cola" no cinema não repita os números estrondosos da primeira produção, mas não falta coragem aos roteiristas Renato Fagundes, João Paulo Horta e Leandro Soares. Mesmo presos aos personagens consagrados na TV, injetam frescor na franquia. Acertam e erram, mas com ousadia.



VAI QUE COLA 2: O COMEÇO

PRODUÇÃO Brasil, 2019

DIREÇÃO César Rodrigues

ELENCO Cacau Protássio, Samantha Schmütz, Marcus Majella, Catarina Abdalla

CLASSIFICAÇÃO 12 anos

AVALIAÇÃO Regular

Facções criminosas com poder de influenciar eleição para prefeito de Manaus

Para compartilhar este conteúdo, utilize o link ou as ferramentas oferecidas na página. Textos, fotos, artes e vídeos do Portal do Holanda estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral.

Copyright © 2006-2019 Portal do Holanda.