Unidades de Urgência tiveram demanda abaixo da média em dia de jogo

Por

18/06/2014 15h39 — em Amazonas

O número de atendimentos nas unidades de urgência do Governo do Estado quando ocorreu o segundo jogo da Seleção Brasileira na Copa do Mundo de Futebol, manteve-se abaixo dos dias normais e novamente foi considerado tranquilo. De acordo com balanço da Secretaria Estadual de Saúde, no conjunto das 16 unidades de urgência e emergência de média e alta complexidade da rede, foram registrados pouco mais 7 mil atendimentos entre as 7h da manhã de terça-feira e as 7h desta quarta-feira. O secretário estadual de Saúde, Wilson Alecrim, informa que, em média, a rede realiza em torno de 14 mil atendimentos diários.

Estes atendimentos referem-se não apenas às demandas relacionadas aos eventos da Copa, mas a toda a demanda recebida pelas unidades da rede estadual de urgência nas horas que antecederam e sucederam o jogo. Como já havia ocorrido nos jogos passados – tanto da Seleção Brasileira quanto do que ocorreu na Arena da Amazônia, entre a Inglaterra e Itália - cerca de 80% dos atendimentos foram para procedimentos clínicos. São casos de hipertensão, resfriados, entre outros tipos de ocorrências, com tratamento ambulatorial. “Apenas nas zonas Norte e Leste houve um pequeno aumento das ocorrências relacionadas a acidentes de trânsito”, frisou o secretário-adjunto de Atenção Especializada da Capital, Wagner William Souza.

Monitoramento – De acordo com o monitoramento dos atendimentos relacionados especificamente aos eventos da Copa e que vem sendo realizado por meio do Centro Integrado de Operações Conjuntas da Saúde – que reúne técnicos da Prefeitura de Manaus e do Governo do Estado –, na terça-feira as unidades da rede pública estadual registraram 42 atendimentos de pessoas que participaram dos eventos. Os atendimentos incluíram casos de queixas clínicas (náusea, dor de cabeça, diarréia, entre outros) e também casos de traumas (pequenos cortes, entorses ou ferimentos decorrentes de acidentes de trânsito. Na rede pública, os atendimentos foram feitos na Clínica do Viajante, da Fundação de Medicina Tropical Dr. Heitor Vieira Dourado; no Hospital 28 de Agosto e no Serviço de Pronto Atendimento da Alvorada.