Seminário discute mercado de trabalho para jovens do ViraVida

Por Portal do Holanda

10/11/2014 16h34 — em Amazonas

A realidade do mercado de trabalho para os jovens, no Amazonas, e as ações para transformar a situação de vulnerabilidade social em que a maioria se encontra, foram os temas discutidos nesta sexta-feira, no Seminário Regional do Programa ViraVida, na sede da Federação das Indústrias do Estado do Amazonas.

Iniciativa do Conselho Nacional do Sesi, com o objetivo de promover a transformação social e desenvolvimento humano de adolescentes e jovens em situação de exploração sexual, o programa foi lançado no Amazonas em 2013, com 113 meninos e meninas inscritos, na faixa dos 16 aos 21 anos. São, na maioria, filhos de famílias de baixa renda, que têm histórico de vida marcado por experiências relacionadas a trabalho doméstico, abuso sexual, gravidez precoce e dependência química.

De acordo com a psicóloga e técnica em empregabilidade do SESI, Mayara Souza, do total de alunos que iniciaram o programa, no ano passado, 43 concluíram os cursos profissionalizantes oferecidos pelo Senai e Senac, dos quais 20 já estão inseridos no mercado de trabalho, entre emprego formal, estágio e aprendizagem. Mayara explica que a empregabilidade é tratada com o jovem e a família logo no início do programa, e que as parcerias com as empresas têm ajudado a tirar o jovem da situação de vulnerabilidade mostrando outro caminho a seguir.

A programação desenvolvida durante o seminário constou de palestras, mesa redonda e rodada de negócios, além de apresentação de peça teatral sobre os desafios da empregabilidade dos jovens, encenada por alunas do programa.

O coordenador de Estágios do Instituto Euvaldo Lodi, Jander Cavalcante, ao abordar o tema Estágio e Mercado de Trabalho, disse que o estágio é o caminho para o emprego, mas que o mercado é exigente e pede profissionais qualificados. Ele ressaltou que as empresas buscam a excelência e que além do conhecimento técnico, o candidato deve ter bom relacionamento e saber trabalhar em equipe, entre outros itens exigidos.

De acordo com Jander, dos 80 mil estudantes cadastrados, pelo menos 5,2 mil estão estagiando. Segundo o coordenador, o aluno não deve ter medo de passar pelo processo seletivo e deve falar a verdade, mostrando interesse no estágio, ter redação própria e conhecimento sobre informática, além de conhecer as atividades desenvolvidas pela empresa. O salário do estagiário hoje é de R$ 520,00, para uma jornada de 6 horas. Ele recebe vale transporte e tem direito a férias regulares, entre outros benefícios, mas deve ter acima de 16 anos e cursar o ensino médio, técnico ou superior.

Diálogo

A coordenadora do Programa ViraVida, no Amazonas, Silvane Almeida, disse que o seminário foi idealizado pelos jovens do projeto, após  uma  Ação Comunitária, no início do mês, na Vila da Felicidade, bairro Mauzinho, na zona Sul, com a realização de oficinas, como empregabilidade e de literatura, onde perceberam a necessidade de uma ação voltada para o mercado de trabalho.

Silvane destacou o diálogo que os alunos tiveram com os representantes de empresas, na mesa redonda, e que tirou dúvidas em relação a como se comportar nas entrevistas de emprego. O seminário, segundo ela, mostrou aos participantes a realidade do mercado de trabalho no Amazonas.

Segundo Silvane, o projeto, que tem duração de dois anos, começa este mês uma nova turma. Os alunos que participaram do seminário, integram a segunda turma do ViraVida e estão em fase de conclusão dos cursos de qualificação profissional, como gestão e logística, representante comercial e auxiliar administrativo. 

“O projeto ViraVida é responsável por uma grande mudança em minha vida”, disse Cláudia de Souza, de 18 anos, que acaba de passar no processo seletivo na Samsung Eletrônica para menor aprendiz. Cláudia disse que foi uma oportunidade muito grande participar do projeto e que cresceu como pessoa e adquiriu conhecimento, realizando vários cursos de qualificação profissional.  Ela destacou também o acompanhamento diário que teve de uma psicóloga, além dos benefícios de saúde e ajuda financeira para se manter no dia a dia e investir em outros cursos.  A aluna disse ainda que em 2015 entra numa nova etapa em sua vida com o início do curso de psicologia.