Para que a Copa aconteça municípios do interior poderão ficar isolados

Por

06/06/2014 18h07 — em Amazonas


(Imagens: Wallace Brayan)
As empresas de táxi aéreo estão preocupadas com  a adequação das operações de pouso e decolagem, assim como a permanência no solo em decorrência das regras para a Copa do mundo.

A maioria dos municípios do Amazonas são atendidos pelas empresas de táxi aéreo que agora estão impedidas de passar mais de uma hora no Aeroporto Eduardo Gomes, conforme instrução da ANAC para os 30 dias correspondentes à realização da Copa do Mundo.

As aeronaves que pousarem após as 18h deverão seguir voo para Santarém (PA) ou Boa Vista (RR), o que duplica os custos para as empresas, inviabilizando a operação.

Durante a tarde desta sexta-feira foi realizada uma coletiva de imprensa onde, além dessas informações, os empresários expuseram que chegaram a notificar a ANAC sobre a inviabilidade da decisão, porém teriam sido ignorados.

Pessoas adoecidas, transporte de sangue e medicamentos, correios, dentre outros serviços de extrema necessidade dos municípios do interior passam agora pelo risco de deixarem de ser executados, isolando ou causando mortes.

+ Amazonas