Manaus Previdência investe 30% a mais em 2014

Por Portal do Holanda

12/11/2014 11h28 — em Amazonas

A Manaus Previdência deverá encerrar 2014 com um total de R$ 650 milhões na sua carteira de ativos, valor 30% maior que o registrado em 2013, que fechou o exercício com R$ 402 milhões em investimentos. O valor foi um dos números divulgados pelo diretor-presidente do órgão, economista Marcelo Magadi, durante audiência pública sobre temas previdenciários, realizada na tarde desta terça-feira, 11.

“Isso é resultado de várias medidas adotadas por meio da nossa política de investimentos. Entre elas, a segregação de massas e uma gestão mais ativa do Comitê de Investimentos, que acompanha o desempenho do mercado financeiro”, explicou Magaldi.

O secretário de Finanças e representante do prefeito Artur Virgílio Neto na abertura da audiência, Ulisses Tapajós, destacou que em pouco mais de 20 meses, a gestão municipal conseguiu regularizar e equilibrar a previdência municipal, proporcionando segurança aos segurados e aos futuros aposentados e pensionistas. “O prefeito assumiu responsabilidades junto ao Ministério Público e proporcionou as condições necessárias para que os dirigentes da Manaus Previdência adotassem as ações necessárias para o seu saneamento. E os resultados estão aí, graças ao esforço de uma equipe”, disse Tapajós.

Entre os dados apresentados, foram detalhados os indicadores estratégicos mensais, que incluem, por exemplo, a rentabilidade e a meta atuarial; a receita mensal e as despesas com as contas públicas, além da evolução dos pagamentos dos inativos. Aos presentes, Magaldi destacou que a missão principal da previdência do município era garantir o equilíbrio financeiro e atuarial da instituição por meio de uma gestão de excelência. E as medidas adotadas até agora pela direção do órgão têm alcançado esse objetivo. “Conseguimos demonstrar, por meio dos números, que as transformações colocadas em prática nos últimos dois anos estão garantindo o equilíbrio necessário para a saúde financeira da autarquia”, disse.

A situação atuarial da Manaus Previdência foi explicada pelo professor Gustavo Carrozzino, da Brasilis Consultoria, que informou que a autarquia conseguiu um equilíbrio nesse campo, registrando superávit técnico no Fundo Previdenciário (FPrev), ainda que com  déficit financeiro no Fundo Financeiro (FFin), o que é uma situação natural. Entretanto, para reduzir esses extremos (reduzir tanto o superávit como o déficit), está previsto para 2015 o rebalizamento da data de corte entre os dois fundos (a utilizada hoje é de 31.12.2003). “A data acompanhou a que era praticada pela previdência do Estado. Mas, em 2015, vamos determinar uma nova data de corte com base em um cálculo atuarial. Já estamos fazendo alguns estudos preliminares com base na avaliação atuarial desse ano e na avaliação atuarial do ano que vem, provavelmente, vamos rebalizar essa data, o que vai gerar equilíbrio ainda maior entre esses dois fundos”.

Carrozzino destacou aos presentes ser importante aos segurados acompanharem o desempenho da previdência do município para saberem como estará a ‘saúde’ do setor em longo prazo.

 

Investimentos obtêm bom desempenho

O último palestrante da audiência foi Marcelo Gengo, da empresa de consultoria Risk Office, que explanou sobre investimentos. Ele detalhou que o que o ano de 2014 foi um ano conturbado, com o processo eleitoral influenciando as taxas de juros e a bolsa, principalmente. Entretanto, no consolidado do ano, grande parte das aplicações do instituto obteve bom desempenho. “Mas, para 2015, estamos querendo adotar medidas mais protecionistas, pois o cenário deverá permanecer conturbado, tanto no mercado interno como no externo, mas principalmente neste último, pois o banco federal americano sinaliza aumento anual de 0,25% para 1,5% a 2% sobre a taxa de juros norte-americana. A meta deles é crescer economicamente e eles farão de tudo para que isso aconteça”, disse Gengo, destacando que essa postura deverá “chacoalhar” o mercado externo, com respingos na economia brasileira. “E em curto prazo, ficamos muito suscetíveis à política interna. Estamos na expectativa de quem será o próximo ministro da Fazenda para a obtenção de um cenário mais claro para o ano que vem”, complementou.

A audiência pública foi uma das formas que a Manaus Previdência adotou para prestar contas aos servidores, aos órgãos de fiscalização e à sociedade em geral sobre a forma de gestão no órgão. A de terça-feira aconteceu no auditório João de Mendonça Furtado, anexo à sede da prefeitura, na Compensa, zona Oeste. Foi a segunda na história do órgão – a primeira foi em 2013 -, criado em 2005. Ambas, na atual gestão municipal.

Fotos: Karla Vieira / Semcom