Mais de 150 mil crianças vacinadas contra a pólio em Manaus

Por Portal do Holanda

08/11/2014 15h24 — em Amazonas

 

Com a Unidade Básica de Saúde Balbina Mestrinho, na Cidade Nova 2, toda enfeitada dos personagens Minions, do filme infantil “Meu Malvado Favorito”, a Prefeitura de Manaus realizou neste sábado, 8, o dia “D” da 35ª Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite e Sarampo, com a presença também do Zé Gotinha e Maria Gotinha. Um grande esquema foi montado na rede municipal de saúde para alcançar as 160.807 crianças de seis meses a menores de cinco anos (4 anos, 11 meses e 29 dias). A meta é vacinar 95% (153.716 crianças) deste público contra a poliomielite.

“O prefeito Arthur Virgílio Neto determinou que a Secretaria Municipal de Saúde tivesse como estratégia a disponibilidade da vacina em todas as unidades de saúde e postos de vacinação em vários pontos da cidade, totalizando 1.030 locais com mobilização de 5.384 profissionais de saúde. Fizemos uma abertura bem animada para mostrar às crianças e pais que é uma alegria cuidar da saúde de seus filhos”, ressaltou o secretário municipal de Saúde, Homero de Miranda Leão.

A abertura da Campanha contou com a presença do presidente da Fundação de Vigilância em Saúde (FVS), Bernardino Albuquerque, e do subsecretário municipal de Esportes e Juventude (Semjel), Rodrigo Guedes.

Para o sarampo, o público-alvo são 141.224 crianças de 12 meses a menores de cinco anos (4 anos, 11 meses e 29 dias), tendo como meta vacinar 95% (134.163 crianças). “A campanha se estenderá até o dia 28 de novembro. Os pais têm que levar a caderneta de vacinação da criança e não deixar para a última hora”, orientou Homero.

A Poliomielite é uma doença infecto contagiosa viral aguda, caracterizada por paralisia flácida de início súbito, que acomete os membros inferiores de forma assimétrica, com característica principal a flacidez muscular, com sensibilidade conservada. Dados da Organização Mundial de Saúde (OMS) demonstram que entre os anos de 2013 e 2014, dez países registraram casos da doença: Afeganistão, Nigéria, Paquistão, Somália, Guiné Equatorial, Iraque, Camarões, Síria, Etiópia e Kenia. No Brasil, desde 1990, não são registrados casos de poliomielite e em 1994 o país recebeu da Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS) a Certificação de área livre de circulação do poliovírus selvagem do seu território, juntamente com os demais países das Américas.

O sarampo é uma doença exantemática aguda de natureza viral, de alta contagiosidade. A transmissão se dá através de contato com secreções nasofaríngeas de pessoas infectadas.   Manifesta-se por febre alta (acima de 38,5⁰C), exantema máculo-papular generalizado, tosse, coriza, conjuntivite e manchas de Koplik (pequenos pontos brancos que aparecem na mucosa bucal antecedendo o exantema).

A ocorrência de surtos em várias partes do mundo constitui uma ameaça para a eliminação, além da circulação endêmica desses vírus em países da África, Ásia e Oceania. Em 2013 foram registrados 179.801 casos de sarampo no mundo, enquanto que até 14 de agosto de 2014 foram reportados 125.978 casos da doença.

No Brasil, os últimos casos autóctones de sarampo ocorreram no ano 2000 e desde então, os casos registrados eram importados ou relacionados à importação. Entretanto, em 2013 e 2014, foram registrados 596 casos da doença no país, com maior concentração nos estados de Pernambuco (224) e Ceará (365). Em ambos os estados, crianças com até quatro anos 11 meses e 29 dias de idade foram as mais acometidas.  O Brasil realiza campanhas de segmento contra o sarampo desde 1995, com a vacinação da população-alvo específica que, na grande maioria das vezes, abrangeu as crianças de um a quatro anos de idade.

“Diante deste quadro mundial, há necessidade da união de esforços para atingir a meta dos indicadores preconizados pelo Ministério da Saúde na vacinação contra a poliomielite e contra o sarampo, mantendo o país livre da doença”, alertou o secretário municipal de Saúde.

Segundo a gerente de imunização da Semsa, Isabel Hernandes, o objetivo da campanha é manter elevada cobertura vacinal contra a poliomielite e o sarampo, de forma homogênea em todo município de Manaus. “Estamos visando evitar a reintrodução do vírus selvagem da poliomielite e o vírus do sarampo, garantindo assim, a condição de país certificado internacionalmente para a erradicação da poliomielite e eliminação do sarampo”, declarou.