Depressão atinge um em cada 100 idosos

Por Portal do Holanda

10/11/2014 15h43 — em Amazonas

Em Manaus, a cada 100 idosos um sofre de depressão. É o que aponta uma pesquisa realizada pela psicóloga da Universidade de São Paulo (USP), Márcia Scazufca. O estudo foi desenvolvido durante dois anos e analisou mais de 700 idosos de quatro distritos de saúde da capital amazonense. Os dados mostram também que menos de 2% dos idosos que possuem a doença fazem tratamento.

"O estigma da depressão ainda é muito grande, porque existe uma barreira que impede o tratamento da doença. É uma das principais doenças no mundo, em termos de impactos sociais e familiares. Ao analisar os prontuários em Manaus, percebemos que apenas 1,5% dos idosos recebiam tratamento', disse a psicóloga.

A pesquisa foi feita, simultaneamente, em São Paulo e Manaus e envolveu cerca de 1500 idosos. Os estudos eram feitos com base no cadastro dos idosos nas Unidades Básicas de Saúde, mesmo sem que eles realizassem tratamento da doença.

"Bastava a pessoa ser registrada na UBS que nós íamos à casa dela avaliar se ela tinha depressão. Nas duas cidades, nós observamos a prevalência de diversos fatores à depressão como fatores de risco, o que no ambiente dessas duas populações distintas aumenta o risco da doença", disse Scazufca

O estudo durou cerca de dois anos e é uma das 15 pesquisas que foram apresentadas durante "I Workshop de Pesquisa Sobre o Envelhecimento e Longevidade no Amazonas", realizado pela Universidade do Estado do Amazonas (UEA), por meio da Universidade Aberta da Terceira Idade da Universidade (UnATI), na quinta e sexta-feira (7).

O reitor da UEA, Cleinaldo de Almeida Costa, ressaltou que o Workshop é um momento de ciência, mas também de extensão porque é uma forma de aproximar a sociedade da comunidade acadêmica.

"As pesquisas estão mostrando que na região amazônica, mais especificamente na região de Maués, uma grande parte da população está acima de 90 anos. Isso é um fato diferente de outras regiões do país. Isso fala a favor de dieta, de exercícios físicos, e qualidade de vida", disse Costa.

De acordo com o diretor-presidente da UnATI, Euler Ribeiro, há 11 anos a Universidade realiza um encontro para discutir o envelhecimento e essa será a primeira vez que as pesquisas

 

Temas a serem debatidos

"Pesquisar o envelhecimento humano e aspectos a ele relacionados, como a genética, o sono reparador, o exercício e a dieta amazônica, nos proporcionou analisar que a comunidade ribeirinha está favorecida por não possuir um contato direto com os grandes centros urbanos. A pressão social e o estresse ajudam na promoção da morte celular, que é um dos fatores do envelhecimento", disse Ribeiro.

Workshop

O Workshop tem o objetivo de possibilitar aos profissionais e estudantes de graduação e pós-graduação, discussão e intercâmbio de conhecimento em torno das pesquisas e trabalhos realizados na área do envelhecimento. O Encontro reúne profissionais de diversos países como Espanha, Estados Unidos e Portugal.