Centro Administrativo recebe nome de desembargador

Por Portal do Holanda

30/10/2014 16h22 — em Amazonas

A presidente do Tribunal de Justiça do Estado do Amazonas, desembargadora Graça Figueiredo, realizou a nomeação do antigo Anexo I, que agora passa a se chamar Centro Administrativo Desembargador José de Jesus Ferreira Lopes. Além da presidente, estiveram presentes na solenidade familiares do homenageado, desembargadores e servidores do TJAM.

“Quando assumi a presidência do tribunal, ficava muito incomodada quando dizíamos que precisávamos ir até o anexo, um prédio tão bonito. Então, para mim e para os senhores também, essa homenagem tem um significado muito relevante. Homenagear o desembargador Jesus é uma grande satisfação, pois tive o prazer de conviver com ele e sempre tinha aquela palavra amiga, dava atenção aos juízes do interior, calmo, tranquilo, paternal e pude tirar, desta convivência, a sabedoria necessária para enfrentar os embates encontrados no Primeiro Grau”, disse a presidente durante discurso.

A presidente lembrou, ainda, da paciência de ouvir a todos e que sempre que se encontra aflita, busca inspiração nas atitudes do desembargador Ferreira Lopes, como gostava de ser chamado. “A postura do magistrado deve ser sempre serena, mas firma nas suas decisões. Não é preciso gritar e nem falar alto, é necessário apenas firmeza e serenidade, assim como era o perfil do desembargador Jesus Ferreira Lopes. Por isso, a decisão de colocar seu nome no centro administrativo é justa, no meu entendimento e de todos os magistrados que conviveram com ele, porque ele faz jus a essa grande homenagem”, finalizou.

Presente na solenidade, a neta do desembargador, Flávia Lopes, que é defensora pública, mostrou-se bastante emocionada com a homenagem. “Em nome de toda a nossa família, gostaria de agradecer essa homenagem. Eu era muito nova quando ele atuava, mas até hoje as pessoas falam com muito carinho dele, de sua personalidade e honradez. Todos os servidores quando sabem que sou neta dele, falam com muito carinho. Então nós queríamos agradecer a iniciativa da desembargadora e muito obrigada por essa significativa homenagem”.

Sobrinho do desembargador Ferreira Lopes, o também desembargador Flávio Pascarelli, juntou-se a Flávia e salientou a importância da homenagem. “Tal atitude revela a significância do desembargador quando exerceu a magistratura chegando a presidência do TJAM e do Tribunal Regional Eleitoral. Vossa Excelência marcou com essa homenagem e estamos todos agradecidos”, agradeceu.

QUEM FOI

O desembargador José de Jesus Ferreira Lopes nasceu em Tonantins, na época distrito do Amazonas, no dia 4 de julho de 1919. Filho de Flávio e Ester Ferreira Lopes, oriundos do Estado do Piauí e do Amazonas, respectivamente, teve como irmãos Nazaré Ferreira Lopes, Celino Ferreira Lopes, Estelita Lopes, Eurides Ferreira Lopes, Antônio Ferreira Lopes, Maria Izabel Lopes e Afonso Lopes.

Concluiu o curso primário em Fonte Boa, vindo a Manaus para cursar o ginásio e o científico no Colégio Dom Bosco. Após a conclusão do colegial foi oficial da reserva com distinção do NPOR (1942/1943 – época da 2ª Guerra Mundial) da qual se tornou um aficionado pela história da 2ª Guerra, tendo uma extraordinária coleção de livros sobre o tema, inclusive, com miniaturas de aviões e navios, gosto este que repassou a seus sobrinhos.

Concluiu o curso de direito pela Faculdade do Direito do Amazonas, no ano de 1948, neste ínterim trabalhou no Cartório Caminha (atual 2º Ofício de Registro de Imóveis e Protesto). Incentivado pelo tio, desembargador Sales Lopes, do Tribunal de Justiça do Ceará, ingressou na magistratura no ano de 1950, sendo designado para atuar em Fonte Boa, onde casou em 17 de março de 1951, com a srta. Cleomar Vieira, sendo, logo em seguida, designado para São Paulo de Olivença, onde nasceu sua única filha, a senhora Sheila Lopes. Atuou, ainda, nas comarcas de Lábrea por quase 10 anos, passando por Canutama e Itacoatiara. Foi promovido para Manaus após 15 anos, atuando em Varas de Família, Cíveis e Criminais.

Em 1971, foi promovido por antiguidade a desembargador. Tendo assumido a Corregedoria de Justiça no ano de 1973, vice-presidência em 1974, e a presidência em 1975, quando, então, recebeu a visita do do então presidente da República, general Ernesto Geisel.

Em 1980, foi eleito presidente do Tribunal Regional Eleitoral, quando presidiu as eleições para governador, após a Revolução de 1964, ficando no cargo até meados de 1985. Aposentou-se em 1989, aos 70 anos de idade. Tinha como hobby ler, preferencialmente livros da 2ª Guerra Mundial, e outros gêneros, além de pescar e assistir filmes clássicos.

Era católico praticante, assíduo frequentador da Igreja de São Sebastião e ajudou algumas casas de filantropia. Foi casado em segundo matrimônio com Nazira David. Faleceu em 16 de agosto de 2012, aos 92 anos de idade.