Abrasel Amazonas reivindica reabertura de bares e flutuantes na Justiça

Por Portal do Holanda

29/10/2020 16h01 — em Amazonas

Classe alega que será prejudicada pela prorrogação do decreto. Foto: Reprodução

Manaus/AM -A Associação Brasileiras de Bares e Restaurantes no Amazonas (Abrasel Amazonas) protocolou, na manhã de hoje, 29, um mandado de segurança no Tribunal de Justiça do Amazonas para que bares e flutuantes associados à entidade voltem a funcionar, ainda que na modalidade restaurante.

A classe alega que está sendo prejudicada, pois já passaram 30 dias após o primeiro decreto que determina que estabelecimentos sejam fechados depois das 22h e, ainda assim, os casos de Covid-19 continuaram a crescer. De acordo com a Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas (FVS-AM), o aumento foi causado por comícios, caminhadas, bandeiraços e outros eventos partidários, tanto na capital como no interior.

Para o presidente da Abrasel no Amazonas, Fábio Cunha, “este mandado é uma tentativa de uma retomada das atividades do setor em Manaus, visto que já fomos muito prejudicados e injustiçados. Nós, como empresários, temos responsabilidades e cumprimos tudo que foi solicitado no primeiro decreto, portanto não podemos ser penalizados, pois mesmo com os bares, flutuantes e restaurantes fechados os casos de Covid-19, continuaram a crescer e podemos dizer que não somos proliferadores desta doença”, afirma Cunha.

Várias associações, juntamente com a Abrasel no Amazonas, farão um “Ato Pacífico e Democrático”, hoje, 29, a partir das 15h, na Praça São Sebastião, para reivindicarem o direito de trabalhar.