Siga o Portal do Holanda

Política

Morre Henry Sobel, 75, rabino símbolo da defesa dos direitos humanos no Brasil

Publicado

em

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Morreu na manhã desta sexta-feira (22), em Miami (EUA), o rabino Henry Sobel, 75. Segundo sua assessoria, ele não resistiu a complicações associadas a um câncer no pulmão. O sepultamento será neste domingo (24), em Nova Jersey. Ele deixa a esposa e uma filha.

Rabino emérito da Congregação Israelita Paulista, Sobel teve forte atuação na defesa dos direitos humanos no Brasil. Quando o jornalista Vladimir Herzog foi assassinado, em 25 de outubro de 1975, o jovem rabino Sobel não engoliu a versão oficial da ditadura militar.

Enfrentando pressões, realizou o enterro do jornalista no centro do cemitério, se recusando a aceitar a alegação de suicídio —o que, segundo a religião judaica, o levaria a fazer o sepultamento nas margens do lugar.

Dias depois, Sobel liderou, junto com d. Paulo Evaristo Arns, então arcebispo de São Paulo, e Jaime Wright, pastor presbiteriano, o célebre ato ecumênico em homenagem a Herzog. A catedral da Sé ficou lotada e uma multidão tomou conta da praça, num silencioso e contundente protesto contra a ditadura.

Nascido em Lisboa (Portugal), Sobel se mudou para Nova York na infância com a família. Nos anos 1970, aceitou o convite para se tornar rabino da Congregação Israelita Paulista, em São Paulo, onde residiu até 2013, quando trocou o Brasil por Miami.

​​Sobel também ficou marcado pelo episódio das gravatas —quando, em 2007, foi detido por causa do furto numa loja nos EUA. "Trinta e sete anos [no Brasil] e puf! Fiz o impensável", desabafou, trêmulo, em um filme sobre a sua trajetória lançado em 2014.

À época, sofrendo de depressão e confuso com a medicação, o rabino encarou o precipício: foi afastado da direção da Congregação Israelita Paulista e passou a ser execrado e ridicularizado.

Segundo um dos depoimentos no filme, setores conservadores do judaísmo, sempre insatisfeitos com a atuação aguerrida de Sobel, aproveitaram o episódio para tirá-lo de cena.

O rabino, em entrevista coletiva na época dos fatos, falou ser "muito difícil" para ele "explicar o inexplicável". Em entrevista à Folha de S.Paulo em 2014, no entanto, afirmou: “Foi uma falha moral minha”.

“Por que eu fiz aquilo? Como se justifica? Ainda não achei a resposta, mas certamente vou trazer uma de volta de Miami”, acrescentou, referindo-se à sua mudança, na ocasião, para os EUA.

AUTOBIOGRAFIA

Em sua autobiografia "Um Homem. Um Rabino", publicada em 2008, Sobel abordou principalmente as relações com a família, a religião e a política. Dedicou um considerável espaço ao seu envolvimento "na luta contra a ditadura militar", com um certo tom heroico.

Num capítulo intitulado "Vladimir Herzog", ele lembrou que se recusou a enterrar o jornalista judeu como "suicida" —causa mortis divulgada oficialmente pelo regime militar.

O rabino relatou o diálogo que teve com "um funcionário" da Congregação Israelita Paulista: quando o rapaz citou sinais de tortura no corpo de Herzog, Sobel disse: "Então não vamos enterrá-lo como suicida".

O "funcionário" então questionou: "O sr. tem certeza, rabino?". Ao que Sobel respondeu: "Total. Se alguém perguntar, diga que é um pedido do rabino Sobel".

Ainda na obra, ao escrever sobre "a mídia e o poder", ele afirmou: "A verdade é que, a partir do caso Vladimir Herzog, ganhei uma projeção na mídia que jamais imaginara ao desembarcar no Brasil. O que, é claro, nunca havia sido meu objetivo: o engajamento obedeceu a um dever de consciência, a convicções religiosas e humanistas. Porém, o fato é que eu me tornara um judeu conhecido nacionalmente".

CELEBRIDADE

Figura notória por aparecer em publicações que iam desde as revistas da comunidade judaica até a Caras, Sobel reservou um capítulo de sua autobiografia para os "chiques e não famosos".

Ali, deixando transparecer um certo deslumbramento com a alta sociedade, citou as bênçãos que concedeu a casais "mistos" (de religiões diferentes), como Marta Suplicy e Luis Favre; Thereza Collor e Gustavo Halbreich; John Neschling e Patrícia Melo.

No de Luciano Huck e Angélica, ele diz que ficou "muito impressionado com a lista de convidados". "Havia gente famosíssima: Gilberto Gil, Abílio Diniz, Naomi Campbell... Mas também estavam lá dezenas de funcionários da Rede Globo, de todos os níveis, muita gente simples."

Todos foram tratados com a mesma fineza que os chiques e famosos. "Foi um exemplo de dignidade", disse o rabino, sempre disposto a reforçar sua luta pela igualdade social.

MARIDO E PAI AUSENTE

No capítulo "Em família" da autobiografia, ele contou sem muito entusiasmo que "hoje, passados mais de 30 anos, meu casamento com Amanda é bom".

Tanto Amanda quanto a filha do casal, Alisha, nascida em 1983, se queixaram em diferentes momentos de um marido e um pai ausente, por causa da dedicação ao trabalho.

Alisha casou-se em 2014 com o executivo Luis Carlos Szuster.

No fim da obra, quando volta a falar das gravatas, Sobel lembra da "solidariedade e o calor humano" que recebeu de personalidades como o ex-presidente Lula, o ex-governador de São Paulo José Serra (PSDB) e o ex-arcebispo de São Paulo Cláudio Hummes.

"Não falo com essas pessoas pela influência. São amigos de verdade", afirmou, desconversando sobre a versão de que o grau de influência de seus relacionamentos, de certa maneira, ajudou a preservá-lo no episódio.

Gente armada causa pânico em boate de Manaus

Para compartilhar este conteúdo, utilize o link ou as ferramentas oferecidas na página. Textos, fotos, artes e vídeos do Portal do Holanda estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral.

Copyright © 2006-2019 Portal do Holanda.