Siga o Portal do Holanda

Política

Ciro diz que vai pensar 100 vezes antes de ser candidato e dispara contra Bolsonaro

Publicado

em

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Derrotado nas eleições presidenciais do ano passado, Ciro Gomes (PDT) diz que vai pensar cem vezes se será candidato novamente em 2022. 

"Sabe lá o que vai acontecer com o Brasil, estou muito angustiado, muito preocupado e acho que preciso ter a liberdade de uma não conveniência de candidatura para ajudar os jovens, principalmente, a entender o que está acontecendo", disse.

O ex-ministro afirmou, porém, que se for essa a vontade do partido, terá entusiasmo para disputar o Planalto mais uma vez.

Ciro diz que, agora, não vai "agir com a prudência de candidato", ou seja, não terá "silêncios, conversa mole e promessas mirabolantes". "Vou falar o que as pessoas precisam ouvir", disse à imprensa após palestrar em evento em São Paulo nesta segunda-feira (11). 

Na ocasião, por exemplo, chamou os integrantes do governo Jair Bolsonaro (PSL) de "bando de boçais" e de "canalhas". Fabrício Queiroz, ex-assessor de Flávio Bolsonaro (PSL), foi qualificado de "laranja-mor" para o público do evento organizado pelo Instituto para Reforma das Relações entre Estado e Empresa.

Também sobraram críticas à imprensa, ao PT, ao Judiciário e ao vereador Fernando Holiday (DEM-SP). Ciro disse que continuará lutando, e planeja lançar um livro e fazer palestras pelo país. 

Em meio a uma longa explanação sobre economia para cerca de 70 pessoas, entre elas o vereador Eduardo Suplicy (PT), Ciro disse ver confusão no governo federal. "Minha angústia maior hoje é a precocidade disso", afirmou. 

"Botaram um garoto de 13 anos, adolescente, tuiteiro, para governar o país", disse arrancando risadas da plateia. À imprensa Ciro disse que não iria comentar os tuítes de Bolsonaro, pois não são temas relevantes, como as suspeitas sobre Flávio Bolsonaro e o laranjal do PSL -assuntos que ele pediu que a imprensa continue investigando.

"O que o governo tem feito é aproveitado essa leviandade da imprensa, que não creio que seja de má-fé, é uma coisa dos tempos modernos, em que tudo é descartável, tudo é irrelevante, e vive distraindo vocês com esses papos-furados aí. Vai tomar conta de Zé de Abreu uma altura dessa? Zé de Abreu, eu o conheci fanático do PSDB", disse aos repórteres. 

A respeito da reforma da Previdência, Ciro afirmou que seu papel é de conter danos, ou seja, "minimizar prejuízos para as pessoas mais pobres", e que o PDT é contra o projeto proposto pelo governo. Ele chamou o PT para fazer parte desse esforço de oposição, dizendo que precisará de votos. 

Ao mesmo tempo, contudo, criticou o partido, isentando Fernando Haddad (PT). "Não aceito mais a hegemonia desse lado bandido do PT. [...] O Haddad eu cito como homem de bem, mas esse lado quadrilha eu não aguento mais, não quero saber e vou enfrentá-los. Acho que eles são corresponsáveis por esses malefícios todos que o Brasil está vivenciando."

Ciro ainda contestou sua condenação pelo Tribunal de Justiça de São Paulo ao pagamento de R$ 38 mil de indenização por danos morais ao vereador Fernando Holiday por chamá-lo de "capitãozinho do mato" em entrevista à Rádio Jovem Pan no ano passado. 

No mês passado, ele voltou a usar a expressão "capitão do mato" em entrevista à rádio cearense Tribuna BandNews FM, e Holiday disse que o processará novamente. 

"Apenas perguntado por um jornalista, expliquei por que eu disse. Agora um juiz que condena um político por isso é um juiz que absolutamente não tem muita condição de se explicar para 100 juristas que examinarem isso. A crítica política é livre. O dia que alguém tipo um bostinha desses me calar, nesse dia eu já saí da vida pública", disse Ciro nesta segunda. 

PF aplica 'remédio' em Bolsonaro

Para compartilhar este conteúdo, utilize o link ou as ferramentas oferecidas na página. Textos, fotos, artes e vídeos do Portal do Holanda estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral.


Copyright © 2006-2019 Portal do Holanda.